Sementes que Deus coloca em nossas vidas 18/04/2011

Olá prezado ou prezada navegante,
Este texto é meio grande, mas te garanto que em 5 minutos você terá lido todo o texto.
Esta reflexão é sobre o ciclo das sementes que Deus coloca em nossas vidas
Lemos o seguinte no livro de Mateus 25.13-29
“Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir.
Porque isto é também como um homem que, partindo para fora da terra, chamou os seus servos, e entregou-lhes os seus bens. E a um deu cinco talentos, e a outro dois, e a outro um, a cada um segundo a sua capacidade, e ausentou-se logo para longe.
E, tendo ele partido, o que recebera cinco talentos negociou com eles, e granjeou outros cinco talentos.
Da mesma sorte, o que recebera dois, granjeou também outros dois.
Mas o que recebera um, foi e cavou na terra e escondeu o dinheiro do seu senhor.
E muito tempo depois veio o senhor daqueles servos, e fez contas com eles.
Então aproximou-se o que recebera cinco talentos, e trouxe-lhe outros cinco talentos, dizendo: Senhor, entregaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que granjeei com eles. E o seu senhor lhe disse: Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.
E, chegando também o que tinha recebido dois talentos, disse: Senhor, entregaste-me dois talentos; eis que com eles granjeei outros dois talentos. Disse-lhe o seu senhor: Bem está, bom e fiel servo. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.
Mas, chegando também o que recebera um talento, disse: Senhor, eu conhecia-te, que és um homem duro, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste; e, atemorizado, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu. Respondendo, porém, o seu senhor, disse-lhe: Mau e negligente servo; sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei? Devias então ter dado o meu dinheiro aos banqueiros e, quando eu viesse, receberia o meu com os juros. Tirai-lhe pois o talento, e dai-o ao que tem os dez talentos.
Porque a qualquer que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tiver até o que tem ser-lhe-á tirado.”
Quando falamos de talentos, podemos pensar em algo como uma semente. Geralmente, damos aos talentos o nome de dons, porque são algo que recebemos de Deus para multiplicá-los, ou seja, há um ciclo associado a eles, vejamos:
I – A semente é plantada
Que semente é essa? Na verdade recebemos várias sementes em nossa vida, tais como os dons e talentos e a palavra de Deus (Lc. 8.11 – Esta é, pois, a parábola: A semente é a palavra de Deus;).
Deus é o semeador das sementes na nossa vida. Deus é o doador dos dons e talentos.
II – A semente é regada
Regamos as sementes com os nossos sonhos, olhando com firmeza para o futuro, e pensamos em fazer uso daquilo que Deus nos deu. Só pessoas de visão são capazes de transformar o mundo.
A visão nos mostra o nosso destino desejado. Ela nos move para a frente, e, na verdade, só conseguimos lutar, se tivermos uma razão por que lutar. Só conseguimos prosseguir se tivermos um objetivo a alcançar.
Às vezes nós paramos porque perdemos o foco, a visão. Se não vemos mais um motivo para lutar, com certeza não vamos lutar.
III – A semente cresce
O crescimento está associado a fazer evoluir o que recebemos. Vemos na parábola acima que a pessoa que recebeu um talento, em vez de fazê-lo crescer, resolveu enterrá-lo, por quê? como ele mesmo disse, tive medo.
Muitos tem medo de crescer, outros não tem fé, não conseguem acreditar que aquilo que recebeu é de fato algo que pode ser evoluído e pode alcançar patamares de crescimento inimagináveis.
Outros ainda se negam a crescer, porque o crescimento traz maior responsabilidade. Um adolescente tem pouquíssima responsabilidade com os seus atos e suas consequências, mas quando fica adulto, já tem que se responsabilizar não só com suas ações, mas também com a vida de quem o cerca.
A semente deve crescer, pois se não crescer, morre.
Lembremos ainda que nem todo crescimento é visível. O crescimento de algo que tem sustentação só começa a ser visto depois de constituídas as suas bases fortes. Vejamos o caso de uma arranha-céu, um pé de eucalipto, um pé de bambu, todos esses possuem fundações que demoram para ser edificadas, até que estejam prontos para subir.
IV – A semente deve frutificar
Esse é o último estágio do ciclo da semente.
Uma vez que a semente não morreu, ela deve germinar, transformar-se em um árvore e produzir os seus frutos.
O fruto indica que chegou um tempo de maturidade, significa que estamos prontos para  compartilhar do que recebemos, chegou o tempo de transmitir de graça o que de graça recebemos (Mt. 10.8). É nessa fase que saímos à guerra, e essa guerra não é apenas pessoal, guerreamos por nós e também pelos outros.
O Cristão deve saber que quando ele se vê um cristão de verdade, já é tempo de compartilhar.
Jesus disse: “Ide e fazei discípulos de todas as nações”.
Muitos até querem crescer, mas não querem frutificar. Existem aquelas pessoas que querem passar a vida inteira estudando, mas não são capazes de parar um segundo para ensinar a alguém, enquanto há aquelas que assim que aprendem já querem transmitir o que aprenderam.
Crescer, mas não frutificar, é muito semelhante ao aborto. Alguém que passou pela vida, e apenas cuidou de si mesmo, sem se preocupar com os outros.
Lembremos sempre que existe uma multiplicação fenomenal associada ao fruto, pois com o fruto novas sementes são geradas, e um novo ciclo se inicia.
Deus disse: crescei e multiplicai, Gn. 1.22.
Te convido então a regar, fazer crescer e frutificar as boas sementes que O Senhor Deus plantou em tua vida, para a Glória dEle.
Fique na Graça e na Paz do Senhor Jesus,
Pr. Inerves

Jessica Mendonça (159 Posts)


Copyright © 2010 Igreja Batista Jesus é a Vida.

Produzido por tendaestudio