Ore pela paz de Jerusalém – informe de 17 a 30.06.2012

Os céus declaram a glória de ELOHIM e o firmamento anuncia a obra das Suas mãos. Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite. Não há linguagem nem fala onde não se ouça a Sua voz. A Sua linha se estende por toda a Terra, e as Suas palavras até o fim do mundo. Neles pôs uma tenda para o sol, o qual é como um noivo que sai do seu tálamo, e se alegra como um herói, a correr o seu caminho. A sua saída é desde uma extremidade dos céus, e o seu curso até a outra extremidade, e nada se esconde ao seu calor”(Salmo 19.1-6)

Toda criação Te adora, SENHOR, e testemunha o Teu Soberano e grande Nome diariamente! Veremos todo joelho se dobrar diante de Ti e toda a língua confessar que TU, e somente TU és o SENHOR, para a glória de DEUS PAI!http://player.vimeo.com/video/27920977?title=0&byline=0&portrait=0href[1]

http://www.youtube-nocookie.com/embed/xHkq1edcbk4?rel=0

Porque assim diz o SENHOR: Certamente que passados setenta anos em Babilônia, vos visitarei, e cumprirei sobre vós a Minha boa Palavra, tornando a trazer-vos a este lugar.Porque EU bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais. Então Me invocareis, e ireis, e orareis a Mim, e EU vos ouvirei. E buscar-Me-eis, e Me achareis, quando Me buscardes com todo o vosso coração. E serei achado de vós, diz o SENHOR, e farei voltar os vossos cativos e congregar-vos-ei de todas as nações, e de todos os lugares para onde vos lancei, diz o SENHOR, e tornarei a trazer-vos ao lugar de onde vos transportei
(Jeremias 29.10-14)
Falando de aliyah, cristãos asiáticos se reuniram em Jerusalém, no começo deste ano para celebrar os 70 anos da reunião de Wannsee (Alemanha), com a presença de 15 nazistas do alto escalão do 3º Reich, em 20 de janeiro de 1942, com o objetivo de planejar a ‘solução final’ para o extermínio dos judeus. Louvado seja o SENHOR que a essa reunião marcou o início do fim do governo nazista (três anos mais tarde) e o nascimento do Estado de Israel (cinco anos depois). De fato, foi a ‘solução final’ para os nazistas e ‘a batida do martelo de YHVH’ pela causa de Sião! HalleluYAH!!!

Os irmãos da Ásia celebraram essa data com uma conferência cujo tema foi “O Êxodo final: Levando os Judeus à sua Pátria antes que seja demasiado tarde”, com base nas revelações que o SENHOR deu aJeremias (29.10) e o despertamento de Daniel para gerar o regresso dos judeus do cativeiro babilônico, depois de 70 anos – “No primeiro ano do seu reinado, eu, Daniel, entendi pelos livros que o número dos anos, de que falara o SENHOR ao profeta Jeremias, em que haviam de cumprir-se as desolações de Jerusalém, era de setenta anos. E eu dirigi o meu rosto a ADONAI ELOHIM, para O buscar com oração e súplicas, com jejum, e saco e cinza” (Daniel 9.2,3).

E Daniel orou e suplicou ao SENHOR em humilhação (jejum, saco e cinzas), em arrependimento pela causa de Israel, pelo favor do SENHOR para que o povo pudesse retornar a Israel, à terra de seus antepassados, à terra da promessa:
E orei a YHVH ELOHAI, e confessei, e disse: Ah! ADONAI! HaEL Grande e Tremendo, que guardas a aliança e a misericórdia para com os que Te amam e guardam os Teus mandamentos; pecamos, e cometemos iniqüidades, e procedemos impiamente, e fomos rebeldes, apartando-nos dos Teus mandamentos e dos Teus juízos; e não demos ouvidos aos Teus servos, os profetas, que em Teu Nome falaram aos nossos reis, aos nossos príncipes, e a nossos pais, como também a todo o povo da Terra. A Ti, ó ADONAI, pertence a justiça, mas a nós a confusão de rosto, como hoje se vê; aos homens de Yehudah, e aos moradores de Y’rushalaim, e a todo o Israel, aos de perto e aos de longe, em todas as terras por onde os tens lançado, por causa das suas rebeliões que cometeram contra Ti. Ó YHVH, a nós pertence a confusão de rosto, aos nossos reis, aos nossos príncipes, e a nossos pais, porque pecamos contra Ti. A ADONAI ELOHEINU pertencem a misericórdia, e o perdão; pois nos rebelamos contra ELE, e E não obedecemos à voz de YHVH ELOHEINU, para andarmos nas suas leis, que nos deu por intermédio de Seus servos, os profetas. Sim, todo o Israel transgrediu a Tua lei, desviando-se para não obedecer à Tua voz; por isso a maldição e o juramento, que estão escritos na lei de Moisés, servo de ELOHIM, se derramaram sobre nós; porque pecamos contra ELE.  E ELE confirmou a Sua Palavra, que falou contra nós, e contra os nossos juízes que nos julgavam, trazendo sobre nós um grande mal; porquanto debaixo de todo o céu nunca se fez como se tem feito em Jerusalém. Como está escrito na lei de Moisés, todo este mal nos sobreveio; apesar disso, não suplicamos à face de YHVH ELOHEINU, para nos convertermos das nossas iniqüidades, e para nos aplicarmos à Tua verdade. Por isso YHVH vigiou sobre o mal, e o trouxe sobre nós; porque justo é o YHVH ELOHEINU em todas as Suas obras, que fez, pois não obedecemos à Sua voz. Agora, pois, ó ADONAI ELOHEINU, que tiraste o Teu povo da terra do Egito com mão poderosa, e ganhaste para Ti Nome, como hoje se vê; temos pecado, temos procedido impiamente. Ó ADONAI, segundo todas as Tuas justiças, aparte-se a Tua ira e o Teu furor da Tua cidade de Jerusalém, do Teu Santo monte; porque por causa dos nossos pecados, e por causa das iniqüidades de nossos pais, tornou-se Jerusalém e o Teu povo um opróbrio para todos os que estão em redor de nós. Agora, pois, ó ELOHEINU, ouve a oração do Teu servo, e as suas súplicas, e sobre o Teu santuário assolado faze resplandecer o Teu rosto, por amor de ADONAIInclina, ó ELOHAI, os Teus ouvidos, e ouve; abre os Teus olhos, e olha para a nossa desolação, e para a cidade que é chamada pelo Teu nome, porque não lançamos as nossas súplicas perante a Tua face fiados em nossas justiças, mas em Tuas muitas misericórdias. Ó ADONAI, ouve; ó ADONAI, perdoa; ó ADONAI, atende-nos e age sem tardar; por amor de Ti mesmo, ó ELOHAI; porque a Tua cidade e o Teu povo são chamados pelo Teu Nome” (Daniel 9.4-19)

E o mais impressionante foi a resposta que o SENHOR enviou pela boca de Seu anjo Gabriel – sim, era tempo do povo regressar para preparar a vinda do MESSIAS e o Seu regresso!
Estando eu ainda falando e orando, e confessando o meu pecado, e o pecado do meu povo Israel, e lançando a minha súplica perante a face de YHVH ELOHAI, pelo monte santo de ELOHAI, estando eu, digo, ainda falando na oração, o homem Gabriel, que eu tinha visto na minha visão ao princípio, veio, voando rapidamente, e tocou-me, à hora do sacrifício da tarde. Ele me instruiu, e falou comigo, dizendo: Daniel, agora saí para fazer-te entender o sentido. No princípio das tuas súplicas, saiu a ordem, e eu vim, para to declarar, porque és mui amado; considera, pois, a palavra, e entende a visão. Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo. Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar e para edificar a Jerusalém até o Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos. E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para Si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até o fim haverá guerra; estão determinadas as assolações. E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até a consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador” (Daniel 9.20-27).

Por onde quer que me volte, o SENHOR tem anunciado por boca de Seus servos que este é um ano que marca uma nova etapa. O SENHOR tem-nos dito o mesmo, durante nosso período de intercessão por Israel, às sextas-feiras… Esses irmãos da Ásia, ao realizarem essa conferência, tiveram o mesmo discernimento. É tempo de clamarmos intensamente, humilhados diante de YAHVEH, nosso Socorro bem presente, pela aliyah, pois ela é uma parte importantíssima do cenário que precisa ser edificado para preparar o regresso do MESSIAS de Israel, um dos elementos essenciais para a volta de YEHOSHUA e o cumprimento das setenta semanas, quando enfim ‘a transgressão cessará, o pecado terá seu fim, a iniquidade será expiada, a justiça eterna trazida, e selada a visão e a profecia, e ungido o Santíssimo’.
Aprouve a YHVH ‘depender’ de nós para cumprir Seus propósitos aqui na Terra. Sejamos Seu útero, Suas mãos, Sua voz para gerarmos aquilo que está em Seu coração, mui amados do SENHOR!Não nos esqueçamos de que, aliado às orações, nossa contribuição financeira é importantíssima. Em informes anteriores, escrevi sobre a Associação Operação Êxodo Ebenezer. Sejamos um Corpo alinhado com os projetos do SENHOR e servos que O auxiliam a cumprir Sua promessa (http://www.operacao-exodo.org)

Outros dados: Associação Operação Êxodo EbenezerBanco Bradesco
Agência 1835-0
CC 450-2

Ainda nesse tema, clamemos pela economia de Israel. Louvo ao SENHOR porque mais um campo de petróleo e gás foi descoberto na costa Mediterrânea de Israel, Pelagic, próximo à cidade portuária de Haifa. A companhia israelense anunciou, há uma semana, a descoberta de um novo campo com conteúdo estimado de 190 bilhões de m³ de gás natural e 1 bilhão e 400 milhões de barris de petróleo, o terceiro maior campo descoberto nos últimos doze meses em Israel (TamarLeviathan são os outros campos, também na costa Mediterrânea, mais ao norte, respectivamente com 255 bilhões de m³ e 482 bilhões de m³ de gás natural. De ambos, há expectativa de exploração de 800 milhões de barris de petróleo). Essa quantidade de combustível fóssil garantirá o suprimento de energia de Israel pelas próximas décadas, com a possibilidade de que ela se torne uma exportadora de gás natural. Por estimar-se que esses são os maiores campos de combustível fóssil do mundo, isso criará um impacto enorme à economia de Israel e seu status quo de importadora para exportadora. HalleluYAH!!!
Quanto mais forte for a economia de Israel, maior será a necessidade de mão de obra para as centenas de milhares de oportunidades de emprego. Amados, geremos essas portas de emprego para absorver osmilhares de milhares de judeus que estão para regressar a Israel em nossos dias, em Nome do SENHOR JESUS.

Esforça-te, pois, e esforcemo-nos pelo nosso povo, e pelas cidades de ELOHEINU; e faça YHVH o que bem parecer aos Seus olhos
(2 Samuel 10.12)
Jerusalém está edificada como uma cidade que é compacta. Onde sobem as tribos, as tribos do SENHOR, até o testemunho de Israel, para darem graças ao Nome do SENHOR. Pois ali estão os tronos do juízo, os tronos da casa de David. Orai pela paz de Jerusalém; prosperarão aqueles que te amam. Haja paz dentro de teus muros, e prosperidade dentro dos teus paláciosPor causa dos meus irmãos e amigos, direi: Paz esteja em tiPor causa da casa de YHVH ELOHEINU buscarei o teu bem
(Salmo 122.3-9)
Na última terça-feira, 12.06, acordei com o SENHOR, o Espírito, me falando: ‘é tempo dos guerreiros sionistas bíblicos’. No dia seguinte, o SENHOR deu-me os versículos de Samuel e Salmo acima descritos como a descrição dos ‘guerreiros sionistas bíblicos’ (em azul).
Orar pela paz de Jerusalém, em última instância, significa clamar pelo regresso do SENHOR JESUS!
No último informe, ao escrever sobre os colonos que vivem em assentamentos nas regiões de Yehudah e Shomron (Judéia e Samaria), o SENHOR me falava como eles são os heróis que têm se colocado na linha de frente, no front de defesa para impedir a invasão inimiga (o islamismo extremista e destruidor), expondo suas vidas por acreditarem na Palavra de YAH e Sua promessa para os herdeiros de Avraham, Itschaq, Yaacov, Moshe, Yehoshua, David, Shlomoh, Daniel… e de YEHOSHUA. Além de heróis, têm o espírito de guerreiros sionistas bíblicos, ainda que não tenham o conhecimento do SENHOR JESUS.
No princípio de sua edificação, havia os sionistas que criam em uma terra para Israel que não necessariamente fosse a antiga possessão que pertencera a seus antepassados. O próprio pai do sionismo moderno, Theodor Hertzl, era um antissemita que cria que a única esperança para os judeus era a assimilação (até tentou batizar seus filhos na igreja católica…), não fosse o evento que ele, como jornalista, testemunhou como o fraudulento julgamento de Alfred Dreyfus, oficial francês, judeu, condenado à prisão perpétua por alta traição (mesmo com provas contundentes demonstrando sua inocência, alguns anos depois), abrindo seus olhos para a realidade da xenofobia a judeus que dominava a Europa no fim do século XIX. E passou a lutar por um lugar onde os judeus pudessem viver sem serem perseguidos, rejeitados, desprezados ou injustamente condenados. Ele sequer era religioso!
Os fundadores dos qibutsim eram, na verdade, socialistas sionistas, numa época em que a lavoura individual era inviável. De acordo com a definição de qibuts – grupo de pessoas que se estabelecem juntas em uma determinada área de terra e compartilham seus recursos, levando uma vida comunitária – essa foi toda a base para o estabelecimento do moderno Estado de Israel, principalmente nas fronteiras, com ênfase na proteção territorial, na conquista e ocupação das terras, além da ênfase na agricultura e no seu desenvolvimento, contribuindo enormemente para a ocupação territorial.
Essa forma de ‘colonização’ do país exerceu papel importante na identidade cultural do país bem como do ponto de vista estratégico militar para os primeiros conflitos árabe-israelenses, funcionando como bases avançadas até que o Tzahal (exército israelense) chegasse com a força maior de defesa. Assim é hoje, como primeira frente de defesa de Israel.
Mas, até nisso, nessa forma de colonização, o SENHOR teve Seu dedo!!! Quando lemos um dos textos mais impactantes sobre a possessão da terra de Israel pelos herdeiros de Yaacov, bem como o reajuntamento do povo escolhido de YAH na terra que lhes pertence e da promessa da nova aliança, em Jeremias 31, o SENHOR descreve como os iria ajuntar: “Ouvi a palavra do SENHOR, ó nações, e anunciai-a nas ilhas longínquas, e dizei: Aquele que espalhou Israel a congregará e a guardará, como o pastor ao seu rebanho” (Jeremias 31.10).

Aquele que espalhou Israel nos congregará” – “Mzareh Israel y’qabtsenu”O verbo ‘qavats’ que significa ‘juntar, reunir, colocar juntos, congregar’ (‘qabtsenu’ – nos congregar, nos reunir, nos ajuntar) tem a mesma raiz da palavra hebraica ‘qibuts’. Parafraseando esse versículo 10, teríamos: “Aquele que espalhou Israel yqabts’hem qibutsim” – ‘os ajuntará em comunidades comunais’. O SENHOR planejou os qibutsim e guiou a homens não religiosos para fundar o moderno Estado de Israel! Glórias infinitas ao Criador do céu e da Terra! HalleluYAH!
Por isso ouso dizer que o SENHOR tem guiado esses homens e mulheres e têm forjado seu caráter como guerreiros sionistas bíblicos! Crêem na Palavra e estão trabalhando para seu cumprimento, vivendo nas possessões de seus antepassados!

Clamemos para que Shomer Israel, o Guarda de Israel guarde-os, fortaleça-os, proteja-os e mantenha-os firmes em suas convicções, em Nome do SENHOR JESUS. Que o SENHOR honre esses valentes de David.
Que em sua fé e devoção à Torah, o SENHOR YEHOSHUA, o MESSIAS de Israel, Se revele a eles, remova o véu sobre seus corações e se convertam a ELE: “A mente deles era semelhante à pedra, pois até o dia de hoje o mesmo véu permanece sobre eles enquanto lêem a Antiga Aliança; não lhes foi esclarecido, pois apenas pelo MESSIAS o véu é removido. Até hoje, sempre que Mosheh é lido, o véu permanece sobre o coração deles. No entanto, diz a Torah, ‘sempre que alguém se volta para ADONAI, o véu é removido’(Êxodo 34.34). Porque nosso SENHOR é Espírito, e onde está o Espírito do nosso SENHOR, aí há liberdade” (2 Coríntios 3.14-18) – que sejam tomados em liberdade para fazer aquilo que o SENHOR, o Espírito, lhes guia a fazer. Que sobre eles, o doce Ruach HaKódesh sopre o vigor da certeza de estar fazendo aquilo que agrada a YHVH. E que o SENHOR receba esse sacrifício de louvor como incenso de aroma suave a agradável a ELE.
Clamemos pela integridade espiritual, física, emocional dessas famílias e que todos os atos de violência sejam abandonados, mas a confiança em YHVH Tsevaot fortalecida.
Que a Suprema Corte reveja suas decisões e posturas, guiadas na maioria pelo espírito humanista. O SENHOR promete em Sua Palavra que ‘restituirá os seus juízes, como foram dantes; e os seus conselheiros, como antigamente; e então lhe chamarão cidade de justiça, cidade fiel. Sião será remida com juízo, e os que voltam para ela com justiça’ (Isaías 1.26,27): que sejam levantados juízes que julguem de acordo com a Palavra de YAH, juízes tementes a ELE, porque temê-lO é o princípio da sabedoria; que os conselheiros sejam igualmente restaurados para apontar a vontade perfeita de YHVH. Que a justiça que há no SENHOR seja praticada em Israel, para que Jerusalém, onde está estabelecida a Suprema Corte Israelense (e que julga as questões em Israel), seja conhecida e apontada como a cidade de Justiça, cidade fiel.
Louvado e engrandecido seja o SENHOR, porque a mentalidade do povo de Israel está mudando. A população que desprezava os colonos e os considerava a causa do fracasso nas negociações de paz com os árabes que vivem em Israel (muito por responsabilidade da mídia nacional e internacional), tem uma opinião quase oposta, com o apoio de 64% da população para a continuação das atividades nos assentamentos judaicos em Judéia e Samaria. Os 36% restantes admitem que uma paralisação transitória das atividades nos assentamentos deveria acontecer até que fosse firmado um acordo de paz definitivo. Ou seja, mais de 64% da população israelense, hoje, apoia a permanência dos assentamentos judaicos em Judéia e Samaria e crê que é direito dos judeus viver naqueles territórios. Ainda que muitos dos entrevistados vejam aquela região como tema central bíblico de seu povo e, portanto, uma das regiões mais importantes para colonos judeus, a maioria dos entrevistados apontou os benefícios de segurança providos pelos assentamentos judaicos como razão para seu apoia à permanência dos mesmos ali. Tomando Gaza como experiência e o que os habitantes do sul de Israel têm sofrido com os ataques constantes de terroristas do hamas, a maioria afirma que os judeus não podem ser removidos de Judéia e Samaria, pois situação semelhante seria vivida pelos habitantes da costa Mediterrânea de Israel, onde se concentra a maior parte da população israelense, em caso de recuo às fronteiras prévias à Guerra dos Seis Dias (segundo exigências dos árabes para começar as discussões de paz).
Em outra pesquisa liberada esta semana, a mesma população israelense não crê mais na ‘solução de dois estados’, inventada por algum ‘burrocrata’ anti-bíblico. 73% dos entrevistados (4000 pessoas) reconhece que a solução de dois estados não acabará com o conflito com os árabes. 64% dos israelenses que vivem em fronteiras prévias a 1967 apoiam a expansão das comunidades judaicas em Yehudah e Shomron. 48% dos entrevistados se opõem à remoção de judeus das comunidades em troca de paz.
Pela definição de insanidade – fazer a mesma coisa dia após dia e esperar resultados diferentes – todo aquele que continua a se apegar à solução de dois estados é insano, porque desde que o Plano de Partilha, com a ‘satânica’ solução de dois estados, foi estabelecido, os árabes recusaram-se e continuam a fazê-lo, porque desejam todo o território para si. Até hoje, não reconhecem o direito dos judeus àquele território. Os árabes atacaram Israel mais de cinco vezes, e Israel avançava em vitória para, mais tarde, entregar as terras conquistadas em batalha como plano de paz – isso é insanidade. Todas as propostas de divisão têm sido rejeitadas pelos árabes, bem como os acordos que têm feito, graças à intervenção do SENHOR que temendurecido o coração dos mesmos, inclinando para os Seus desejos.
Insanidade é tentar fazer paz, arriscando a própria segurança, com alguém que sequer reconhece o direito do outro à existência, o direito à posse de terras que sequer estão em disputa. Insano é estender a mão para paz, quando o outro incita à violência e destruição seus próprios filhos contra aquele que estende a mão. Insano é falar de paz com aquele que idolatra terroristas e hitler. Insano é discutir paz com aquele que proclama e investe e incita o extermínio daquele que está à sua frente para discutir a paz.
Insano mesmo é desobedecer a DEUS e Sua Palavra!
É tempo de abandonar essa idéia insana de dois estados e adotar a única solução que estabelecerá a verdadeira paz na região – “À tua descendência tenho dado esta terra, desde o rio do Egito até o grande rio Eufrates; e o queneu, e o quenezeu, e o cadmoneu, e o heteu, e o perizeu, e os refains, e o amorreu, e o cananeu, e o girgaseu, e o jebuseu” (Gênesis 15.18-21). “Todo o lugar que pisar a planta do vosso pé será vosso; desde o deserto, e desde o Líbano, desde o rio, o rio Eufrates, até o mar ocidental, será o vosso termo. Ninguém resistirá diante de vós; o SENHOR vosso Deus porá sobre toda a terra, que pisardes, o vosso terror e o temor de vós, como já vos tem dito” (Deuteronômio 11.24,25), porque o único plano de paz viável está descrito em Jeremias 12.14-17:
Assim diz o SENHOR, acerca de todos os Meus maus vizinhos, que tocam a Minha herança, que fiz herdar ao Meu povo Israel: Eis que os arrancarei da sua terra, e a casa de Yehudah arrancarei do meio deles. E será que, depois de os haver arrancado, tornarei, e Me compadecerei deles, e os farei voltar cada um à sua herança, e cada um à sua terra. E será que, se diligentemente aprenderem os caminhos do Meu povo, jurando pelo Meu Nome: Vive o SENHOR, como ensinaram o Meu povo a jurar por baal; então edificar-se-ão no meio do Meu povo. Mas se não quiserem ouvir, totalmente arrancarei a tal nação, e a farei perecer, diz o SENHOR” – a solução única e plausível é que os árabes que vivem em Israel vivam ali como cidadãos de Israel e não como cidadãos de um outro estado independente.
Clamemos pelo estabelecimento do plano de paz de YHVH, aquilo que está em Seu coração desde a fundação do mundo. Esse plano de paz passa pela rendição de judeus e gentios ao MESSIAS de Israel. Clamemos por corações quebrantados e humilhados diante da presença do Autor e Consumador da fé, corações sedentos da justiça de DEUS, da paz do Seu MESSIAS, convencidos do pecado, da justiça e do juízo pelo Espírito de YHVH, rendendo-se em completa dependência ao Doador da vida abundante.
Jordânia é ‘palestina’ – de acordo com a história, os ingleses entregaram 78% do território sob Mandato Britânico para os árabes, em 1921, quebrando a promessa da reconhecida e legal Declaração de Balfour de 1917, em que todo o território seria destinado ao lar nacional judaico. Essa declaração foi reconhecida e ratificada unanimemente pelas mais de 50 nações reunidas durante a cúpula de San Remo de 1921, antecessora da Liga das Nações que antecederia a ONU. O objetivo da entrega (além da garantia de fornecimento de petróleo ao Reino Unido) era a criação de um estado para todos os árabes que viviam nas terras do Mandato Britânico. Entretanto, não foi isso que aconteceu.
Em entrevista a Michael Coren, do Sun News, UK, o escritor palestino’ e acadêmico jordaniano, Mudar Zahran, que vive na Inglaterra como exilado político, declarou que a solução para o conflito entre árabes e israelenses não é nova, pois sempre esteve ali, uma vez que Jordânia sempre foi o lar nacional dos árabes que vivem em Israel’. São poucos os que entendem o cerne da questão histórica e política da região. Os judeus que, segundo a Declaração de Balfour, eram os possuidores de todo aquele território, ‘concordaram em dar’ 78% do seu território para estabelecer um lar nacional aos árabes. ‘Jordânia sempre foi palestina’, afirmou Zahran, ‘e a única coisa que não é palestina na Jordânia é o rei’.
‘Os líderes árabes em Israel, nos últimos 15 anos, têm tendido ao fundamentalismos e o povo não deseja viver sob esse regime (pesquisas têm demonstrado isso). Além disso, mais de 80% da população jordaniana é constituída por ‘palestinos’. Um milhão e cem mil ‘palestinos’ vivem na Jordânia ilegalmente e a cada ano 35 árabes que vêm de áreas controladas pelos árabes em Israel são impedidos de entrar na Jordânia. São sinais de que os árabes não estão desesperados para viver em Israel ou nos territórios que ocupados e controlados por líderes fundamentalistas árabes dentro do território israelense, mas para viver numa cultura árabe não fundamentalista, como na Jordânia’.
Zahran ainda afirmou que é bastante aceito entre os ‘palestinos’ e que é falsa a propaganda de que a população árabe quer a anexação de Judéia e Samaria. A população, nos últimos 40 anos, tem compreendido que o problema não é Israel, mas os ‘hashemitas’ (tribo de líderes árabes, antigos aliados dos britânicos durante a guerra contra o império turco otomano, mas que assumiram o controle da Transjordânia, hoje Reino Hashemita da Jordânia). ‘Eu não estou só nessa afirmação. E um exemplo de como a ideologia palestina mudou é a pesquisa que demonstra que 70% dos árabes que vivem em Jerusalém querem que Jerusalém continue sob administração judaica. Povo é povo – deseja viver vida normal, celebrar e não sofrer ou ser ameaçado pelo rei ou qualquer outro’ (http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=lv4U_kaEYco).
Que toda a mentira seja exposta e a real situação venha à tona. Que a verdade prevaleça em nossa geração. A verdade sempre prevalecerá, porque ela é JESUS e ELE venceu na cruz do Calvário. Mas que a Verdade prevaleça em nossa geração, para a glória e a honra dAquele que é a Verdade!
Que mais e mais vozes ‘inesperadas’, como esse escritor ‘árabe’, possam gritar a realidade dos fatos históricos, desmascarando a distorção que o pai da mentira tem produzido e envergonhando-o pela constatação e aceitação da Verdade, em Nome do SENHOR JESUS.

E passou Abrão por aquela terra até o lugar de Shechem, até o carvalho de Moré; e estavam então os cananeus na terra. E apareceu o SENHOR a Abrão, e disse: À tua descendência darei esta terra. E edificou ali um altar a YHVH, que lhe aparecera. E moveu-se dali para a montanha do lado oriental de Beit EL, e armou a sua tenda, tendoBeit EL ao ocidente, e Ai ao oriente; e edificou ali um altar a YHVHe invocou o Nome de YHVH
(Gênesis 12.6-8)

1.       Beit EL é lugar de invocar o Nome de YHVH (e tudo o que Este Nome carrega, representa, significa)
Beit El ou Casa de DEUS aparece na Palavra 70 vezes. O texto acima descreve a primeira referência a esse lugar. Ainda que Avram, recém-chegado de ‘atravessar o rio’ (tornar-se ‘hebreu’, portanto) de seu passado para o novo que YAH lhe ía proporcionar, tenha edificado um altar a YHVH em Shechem, só invocou o Nome de YHVH no altar edificado em Beit EL!
2.       Beit EL é lugar de revelação da extensão da herança territorial de Israel e da descendêncianumerosa de Avram
Quando Avram desceu ao Egito inadvertidamente (e essa desobediência lhe custou caro, e até hoje as consequências dessa descida custa a seus descendentes, porque em seu regresso, trouxe Hagar consigo… – ‘o inimigo vem da própria casa’ – Gênesis 16.1221.18,20), ao subir de volta, retornou a Beit El para invocar o Nome do SENHOR novamente. Mas, também, esse foi o ponto de divisão entre Lot (o outro engano de Avram (trouxe seu sobrinho consigo, quando YAH lhe tinha dito para apartar-se de sua terra e parentela), que também lhe custou caro – ‘o inimigo vem da própria casa’ – Neemias 13.1,2) e Avram. Só depois disso o SENHOR mostrou a herança de Avram e o lugar de sua possessão (Gênesis 13.1-18).
3.       Beit EL é lugar de refúgio/segurança, de sonho; lugar onde ELOHEI Avraham e ELOHEI Itschaq Se apresenta e Se revela ao descendente da promessa, lugar da reiteração/confirmação das promessas
Anos mais tarde, o neto de Avraham, Yaacov, ao fugir da presença de seu irmão, também foi dirigido por YAH a Beit EL, onde os céus estavam abertos. E ali, sonhou, e em seu sonho, o DEUS de seus antepassados Se revelou como DEUS para Yaacov, disposto a confirmar a aliança que fizera com seus pais e estabelecê-la com ele, o descendente da promessa. Yaacov viu a escada entre céu e Terra e Aquele que é Doador da Aliança no topo, reiterando-a a ele (Gênesis 28.11-15).
4.       Beit EL é a Casa de DEUS porta dos céus; é o lugar de fazer votos ao SENHOR
Yaacov fez um voto ao SENHOR naquele lugar que ele chamou de Beit EL, porque a presença do SENHOR estava ali (Gênesis 28.16-22).
5.       Beit EL é o lugar de referência para o regresso à terra prometida, depois de longo tempo no cativeiro das nações, pois há um testemunho ali, a coluna erigida e ungida pelo pai Yaacov
Quanto Yaacov estava no exílio, em Haran, o SENHOR apareceu a ele em sonho, novamente, e Se apresentou como ‘o DEUS de Beit EL’, Aquele que lhe prometera guardar e proteger e que provou o Seu cuidado, quando mostrou as bênçãos da multiplicação do rebanho que lhe pertencia (listrados, salpicados e malhados), porque tinha visto o que Lavan, seu tio, lhe fizera (Gênesis 31.11-13).
6.       Beit EL é o lugar de escape, de refúgioproteção, de guarda; também, lugar de reiteração da promessa, onde DEUS Se revela como EL Shadai
Já de regresso à terra, Yaacov e sua família viveram na região de Shechem (local do primeiro altar erigido a YAH por Avram em Eretz Israel). Mas, como Shechem, o filho do líder da cidade se enamora-se de uma das filhas de Yaacov, a sequestrou e habitou com ela. Ainda que quisesse casar com ela, seus irmãos, Shimeon e Levi arranjaram um contra-ataque pela afronta à integridade da família, matando a todos os homens, habitantes daquele lugar (Gênesis 3334). O patriarca Yaacov temeu por sua casa, pela retaliação que sofreriam dos habitantes da terra e vizinhos. Então, o SENHOR lhe instruiu que partisse para Beit EL, e o terror de ELOHIM seria sobre as cidades por onde passassem para não os seguir (Gênesis 35.1-6)
Chegando a Beit EL, Yaacov erigiu um altar a YHVH e chamou aquele lugar EL-Beit El – DEUS de Betel – porquanto ELOHIM Se lhe tinha manifestado quando fugiu da face de seu irmão Esav (Gênesis 35.7).
7.       Beit EL é o lugar da mudança do nome (e tudo o que ele representa – caráter, posição, autoridade…)
Em Beit El Yaacov teve seu nome definitivamente alterado de ‘enganador’, ‘suplantador’, para Israel - ‘como príncipe lutaste com DEUS e com os homens, e prevaleceste’ (Gênesis 32.28), ‘príncipe de DEUS’, ‘campeão com DEUS’, ‘perseverador com DEUS’ (Gênesis 35.10).
8.       Beit EL é o lugar de reiteração da promessa, quando DEUS Se revela como EL Shadai a Israel
Ali mesmo em Beit El, no lugar em que o SENHOR Se revelara a Yaacov em sonho, mostrou que ELE era O mesmo que lutara com o velho homem de Israel (Yaacov) e que o marcara em sua coxa, numa experiência física, em Peniel, para comprovar que não fora mais um sonho ou obra de sua imaginação, mas realidade, porque DEUS é real, palpável. E esse mesmo DEUS estava reiterando todas as promessas feitas a seus antepassados e a ele, agora Israel, também naquele lugar, e que elas eram palpáveis, reais, consistentes, eternas, pois o Todo PoderosoEL Shadai, Aquele que vai no âmago das necessidades e as provê, cuidador, Aquele que amamenta, que faz frutificar e multiplicar é o que prometeu (Gênesis 35.11-15) – O Mesmo DEUS Todo Poderoso que Se havia revelado a Avraham em seus 99 anos de idade (Gênesis 17.1), a Itschaq (Gênesis 28.3), Se revelava a Israel (Êxodo 6.3) para que ele O introduzisse a Yosef (Gênesis 43.14) e a seus filhos e descendentes – EL Shadai, o MESSIAS de Israel.
9.       Beit EL é o lugar onde DEUS continua a ser consultado
Centenas de anos mais tarde, quando Israel já era nação diante do SENHOR, o povo subia a Beit EL para consultar ao SENHOR (porta dos céus e Casa de DEUS), como quando da situação de lidar com a ímpia tribo de Bin’yamin (Juízes 20.18).
Os juízes D’vorah (Juízes 4.5) e Shmuel (1 Samuel 7.15,16) julgavam as questões do povo de Israel a partir de Beit EL.
10.    Beit EL é o lugar onde se aprende, se experimenta, se descobre o TEMOR DO SENHOR
Quando Yaacov acordou de seu sonho, percebeu que o SENHOR estava ali e ele não sabia. E temeu e viu quão terrível, impressionante era aquele lugar por causa da Presença de YHVH (Gênesis 28.16,17).
Também, centenas de anos mais tarde, quando o reino do Norte caiu em mãos dos assírios (722aC), que trouxeram moradores de outras terras conquistadas para viver em Beit EL, o temor do SENHOR teve que ser experimentado pelos novos habitantes que serviam a outros deuses e não sabiam como ‘agradar e servir ao DEUS da terra, sendo surpreendidos por ataques de leões enviados pelo próprio SENHOR (como quando a Arca de YHVH foi guardada no santuário de dagon - 1 Samuel 5.2-5). Para tanto, trouxeram um dos sacerdotes que ali vivera para ensinar o povo o TEMOR DO SENHOR (2 Reis 17.28) que é o princípio da sabedoria.
Este é o ano judaico de 5772, o ‘ano da casa’, porque o número dois corresponde à segunda letra do alfabeto hebraico, ‘bet’, cuja pronúncia e escrita são similares à palavra hebraica para ‘casa’ ou ‘beit’.
Beit EL é uma comunidade israelense há poucos quilômetros ao norte de Jerusalém, dentro do antigo território de Bin’yamin. Foi restabelecido em 1977, 10 anos após sua conquista das ocupações jordanianas, durante a Guerra dos Seis Dias. Ela é o lar de 6000 judeus, a maioria ortodoxa. Como todas as outras cidades edificadas em territórios conquistados em 1967, é considerada como ocupação ilegal pela comunidade internacional, que a vê como assentamento dentro de terras destinadas a um futuro estado árabe (QUE ISSO NUNCA ACONTEÇA, EM NOME DO SENHOR JESUS).
Como descrevemos anteriormente, o partido de esquerda israelense (pró-árabes e pró-entrega de terras por paz), aliançados com magistrados árabes, sempre que veem uma causa territorial dúbia, entram em disputa e levam a causa para a Suprema Corte israelense, que, não prima por ser guiada pelo Espírito de DEUS, mas pelo espírito da Grécia.
Beit El retorna às notícias porque a Suprema Corte votou pela destruição das residências em Ulpana, um assentamento que faz parte da Comunidade de Beit El em 1º de julho. O projeto de lei discutido na semana passada no Knesset, que tinha por objetivo legalizar as 9000 construções ilegais pela região de Shomron e Yehudah foi rejeitado e, infelizmente, por interferência de Netanyahu que tomou uma medida surpreendente, em contrapartida, autorizando a construção de 300 novas moradias em Beit El, bem como a construção de551 unidades em cinco outras comunidades judaicas dentro de Shomron e Yehudah. No total, 851 novas moradias foram aprovadas para construção imediata. E os moradores de Ulpana serão realocados dentro de Beit EL.
Obviamente, a comunidade internacional (EUA) se levantou para condenar as novas construções, declarando que ‘a contínua atividade judaica em seus assentamentos em Shomron e Yehudah minam os esforços de paz e contradizem os compromissos e obrigações israelenses, incluindo o ‘mapa do caminho’ de 2003. A posição dos EUA sobre os assentamentos israelenses é clara. Não aceitamos a legitimidade da continuação da atividade israelense nos mesmos. Também nos opomos a qualquer tentativa de legalizar os assentamentos em postos avançados (vilas distantes)’.
‘Quem são esses incircuncisos que ousam levantar sua voz para condenar a Palavra de DEUS? Quem são esses que vociferam impropérios contra a vontade do Todo Poderoso, Aquele que Se apresentou a Israel em Beit EL para confirmar que havia dado posse perpétua dessas terras para ele e seus descendentes? Sejam os incircuncisos envergonhados diante de YHVH’
Mais surpreendente ainda (pronta resposta de oração aos nossos clamores de há duas semanas. HalleluYAH!!!) foi a declaração de Ehud Barak, o mesmo que disse que Israel deveria, em gesto de boa vontade, em medida unilateral, entregar aos árabes Shomron e Yehudah; o mesmo que, enquanto primeiro ministro de Israel, concedeu quase que 100%  das exigências de yasser arafat em 2000 (que só não aceitou porque YAH INTERVEIO!!!). Semana passada, surpreendentemente, declarou que os territórios de Beit El e Ofra deveriam ser anexados a Israel sob qualquer acordo final, acrescentando: ‘Há coisas que devem ser feitas para fortalecer Beit El. É uma comunidade muito importante. Não tenho dúvidas sobre o futuro de Beit El’.
Louvado seja o SENHOR por tais declarações de Bibi Netanyahu e de Ehud Barak. ELE inclina o coração do rei para onde quer! HalleluYAH!
Netanyahu ainda declarou que está comprometido com a causa dos assentamentos e ‘aqueles que pensam que podem usar o sistema judiciário para prejudicar o empreendimento dos assentamentos estão enganados, porque, na prática, o oposto está acontecendo. Em vez de Beit El diminuir, será aumentada’. Além disso, o desenrolar do caso de HaUlpana não será utilizado como ‘jurisprudência’ para outros casos, de acordo com o promotor geral e o conselheiro judicial do seu governo. Também confirmou seu compromisso em cumprir a decisão da Suprema Corte e realocar as famílias de HaUlpana em Beit El mesmo.
As declarações de Netanyahu têm endereço certo, porque a comunidade local está se levantando contra a decisão governamental (apesar do anúncio da construção de 851 unidades em várias cidades). Infelizmente, mesmo que se vejam no direito de, ou injustiçados, ativistas de extrema direita vandalizaram propriedades nas comunidades árabes vizinhas, furando pneus dos carros, pichando paredes com os dizeres: ‘morte aos árabes’, ‘vingança a Ulpana’. Agindo ilegalmente e praticando violência cruel (hebraico ‘hamas’) perdem toda a razão. O mesmo espírito de vingança conduziu Shimeon e Levi a agir com violência cruel contra a comunidade de Shechem.
Que cada judeu lance fora seus ídolos (de vingança, de justiça própria, de legalismo, de judaísmo) e se volte para EL-Beit El, à presença de EL Shadai (YEHOSHUA HaMashiach é Seu Nome), para consultá-lO, e saber o que fazer nessa situação. Que os judeus não se comportem como os fundamentalistas islâmicos que servem a allah (satanás), mas como filhos da Luz, dependentes de Sua direção e Palavra: “Assim como estão os montes à roda de Jerusalém, assim o SENHOR está em volta do Seu povo desde agora e para sempre. Porque o cetro da impiedade não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda as suas mãos para a iniqüidade. Faze bem, ó SENHOR, aos bons e aos que são retos de coração” (Salmo 125.2-4).Que todo espírito de violência, ilegalidade e desobediência sejam amarrados, amordaçados, vendados, paralisados, imobilizados em Israel e nas vilas árabes vizinhas, em Nome do SENHOR JESUS. E venha o espírito de conciliação e que a Presença do Sar Shalom invada aquele lugar e permeie cada coração residente ali, em Nome de YEHOSHUA HaMASHIACH.
Que somente o Santo de Israel seja louvado e exaltado em toda a circunstância referente aos assentamentos.
Que O SENHOR Se revele em Beit EL como fez com nossos antepassados, a todos os moradores de lá e aos de outras comunidades que têm sido despertadas pelo que está acontecendo ali. Que as portas dos céus se abram novamente naquele lugar e que as bênçãos de salvação sejam derramadas naquele lugar e a partir daquele lugar.
Que juízes e líderes políticos, militares, civis, religiosos em Israel experimentem o TEMOR DO SENHORpara que possam julgar e governar bem sobre o povo escolhido do SENHOR. Aprendam com ELE a se tornarem sábios e receberem Sua sabedoria; a serem guiados por Seus mandamentos para que tenham bom entendimento de todas as coisas sobre as quais têm que tomar decisões; conhecedores daquilo que está no coração do SENHOR para Seu povo, não desprezando Sua instrução; que busquem conhecer ao Santo, pois isso é prudência, para que venham tempos de estabilidade, de abundância de salvação, uma vez que o temor do SENHOR se transformou no tesouro de todos os filhos de Israel:
- “Eis que o temor do SENHOR é a Sabedoria, e apartar-se do mal é a inteligência” (Jó 28.28);
- “temor do SENHOR é o princípio da Sabedoria; bom entendimento têm todos os que cumprem os Seus mandamentos; o Seu louvor permanece para sempre” (Salmo 111.10);
- “temor do SENHOR é o princípio do conhecimento; os loucos desprezam a sabedoria e a instrução” (Provérbios 1.7);
- “temor do SENHOR é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo a prudência” (Provérbios 9.10);
- “temor do SENHOR é a instrução da sabedoria, e precedendo a honra vai a humildade” (Provérbios 15.33);
- “E haverá estabilidade nos teus tempos, abundância de salvação, sabedoria e conhecimento; e o temor do SENHOR será o seu tesouro” (Isaías 33.6).
Que o Reino de YHVH venha sobre Beit EL e Sua perfeita vontade seja feita ali como ela está estabelecida no céu, para a glória de Seu Nome.
Que a ordem de construção de 300 novas unidades em Beit El não seja pare por aí, mas que a ordem do SENHOR de ‘frutificar, multiplicar’ corra por toda Israel, para a glória dELE mesmo.
Que adoração e louvor a ELOHEI Israel antes praticados naquele lugar possam ser ouvidos de novo, e os céus se abram para que o temor e a comunhão com o SENHOR sejam experimentados pelo povo da terra, em Nome do Dono da terra!
Que o espírito de expulsão e o roubo de terras que tem acompanhado os judeus por milênios (não só as expulsões pelos assírios, babilônios e romanos, mas seguindo pelas cruzadas, e os mais de 500 anos de inquisição, os pogroms, a Shoah, a expulsão das nações árabes na década de 50, e tantos outros movimentos locais de expulsão e roubo de terras), sempre acompanhados de nenhum ressarcimento), seja impedido de agir em Eretz Israel, em Nome do SENHOR JESUS. O SENHOR disse que os reuniria em Israel, ali os plantaria para nunca mais serem desarraigados de suas possessões. Assim seja: “E trarei do cativeiro Meu povo Israel, e eles reedificarão as cidades assoladas, e nelas habitarão, e plantarão vinhas, e beberão o seu vinho, e farão pomares, e lhes comerão o fruto. E plantá-los-ei na sua terra, e não serão mais arrancados da sua terra que lhes dei, diz o SENHOR teu DEUS” (Amós 9.14,15)
Que se cumpra a Palavra em Êxodo 23, em que, à medida que o povo conquista territórios, o SENHOR vai removendo os inimigos de Israel e fazendo com que eles deem as costas aos habitantes da casa de Israel.Clamemos para que o SENHOR honre a fé e a determinação desses colonos em conquistar e tomar posse das terras de Yehudah e Shomron, garantindo a posse do coração e dos pulmões de Israel. Louvamos ao SENHOR porque os colonos estão encontrando graça e favor diante dos habitantes de Israel, que vivem em áreas previamente a 1967 conquistadas. Que esses que estão  na linha de resistência, em postos avançados, como os verdadeiros atalaias de Israel, contagiem todo Israel com o genuíno espírito guerreiro sionista bíblico. Que cada judeu tenha seu coração convertido a ELOHEI Israel e à Sua perfeita vontade – “E edificarão casas, e as habitarão; e plantarão vinhas, e comerão o seu fruto. Não edificarão para que outros habitem; não plantarão para que outros comam; porque os dias do Meu povo serão como os dias da árvore, e os Meus eleitos gozarão das obras das suas mãos. Não trabalharão debalde, nem terão filhos para a perturbação; porque são a posteridade bendita do SENHOR, e os seus descendentes estarão com eles. E será que antes que clamem EU responderei; estando eles ainda falando, EU os ouvirei” (Isaías 65.21-24)

Que juízes segundo o coração de YAH sejam levantados em Israel para julgar os assuntos em Israel tendo como balizador Sua Palavra. Que todo o espírito de humanismo, helenismo, o espírito da Grécia seja amarrado e manietado na vida de cada juiz da Suprema Corte e que, libertos desse maldito espírito, possam legislar de acordo com a Palavra de YAHVEH, em Nome do SENHOR JESUS: “te restituirei os teus juízes, como foram dantes; e os teus conselheiros, como antigamente; e então te chamarão cidade de justiça, cidade fielSião será remida com juízoe os que voltam para ela com justiça. Mas os transgressores e os pecadores serão juntamente destruídos; e os que deixarem o SENHOR serão consumidos” (Isaías 1.26-28).
Levante o SENHOR os filhos de Israel contra os filhos da Gréciae faça resplandecer Seu poder e Sua glória sobre Seu povo no meio da terra. Que a mentalidade humanista que governa o mundo seja impactada e aniquilada por aquilo que fará o SENHOR em Israel, dobrando Yehudah para Si e fazendo-o obedecer Sua perfeita vontade: “Voltai à fortaleza, ó presos de esperança; também hoje vos anuncio que vos restaurarei em dobro. Porque curvei Yehudah para Mim, enchi com Efraim o arco; suscitarei a teus filhos, ó Tsion, contra os teus filhos, ó Grécia! E pôr-te-ei, ó Tsion, como a espada de um poderoso. E o SENHOR será visto sobre eles, e as Suas flechas sairão como o relâmpago… E o SENHOR seu DEUS naquele dia os salvará, como ao rebanho do Seu povo: porque como pedras de uma coroa eles resplandecerão na S(s)ua terra. Porque, quão grande é a Sua bondade! E quão grande é a Sua formosura! O trigo fará florescer os jovens e o mosto as virgens” (Zacarias 9.12-14,16,17)
Que aqueles que estão trabalhando para desarraigar os cidadãos de Israel em Shomron e Yehudah fracassem em todos os seus intentos, e que saibam que estão lutando contra o Todo Poderoso, a Quem aprouve ser chamado pelo nome dos filhos de Avraham, atrelando Seu Nome ao deles, uma vez que disse ser ELOHEI Avraham (DEUS de Abraão), ELOHEI Itschaq (DEUS de Isaque) e ELOHEI Israel (DEUS de Israel-Jacó) – “Assim diz o SENHOR, teu Redentor, e que te formou desde o ventre: EU Sou o SENHOR que faço tudo, que sozinho estendo os céus, e espraio a Terra por Mim mesmo; que desfaço os sinais dos inventores de mentiras, e enlouqueço os adivinhos; que faço tornar atrás os sábios, e converto em loucura o conhecimento deles; que confirmo a palavra do seu servo, e cumpro o conselho dos seus mensageiros; que digo a Jerusalém: Tu serás habitada, e às cidades de Yehudah: Sereis edificadas, e EU levantarei as suas ruínas” (Isaías 44.24-26).

Veja o mapa de Israel sem Yehudah e Shomron e as implicações disso para todo Israel emhttp://marklangfan.com

Peso do Egito. Eis que o SENHOR vem cavalgando numa nuvem ligeira, e entrará no Egito; e os ídolos do Egito estremecerão diante dELE, e o coração dos egípcios se derreterá no meio deles. Porque farei com que os egípcios, se levantem contra os egípcios, e cada um pelejará contra o seu irmão, e cada um contra o seu próximo, cidade contra cidade, reino contra reino. E o espírito do Egito se esvaecerá no seu interior, edestruirei o seu conselho; e eles consultarão aos seus ídolos, e encantadores, e aqueles que têm espíritos familiares e feiticeiros. E entregarei os egípcios nas mãos de um senhor cruel, e um rei rigoroso os dominará, diz o Senhor, o SENHOR dos Exércitos
(Isaías 19.1-4)
Na quinta-feira passada, a Suprema Corte egípcia declarou que um terço dos parlamentares foi eleito ilegitimamente no pleito de dezembro e janeiro últimos. Como resultado, ‘a constituição da câmara é ilegal e, consequentemente, não pode permanecer’. A corte dissolveu o parlamento, golpeando fortemente as forças pró-sharia que estavam controlando o Egito desde as últimas eleições.
Além disso, o 2º turno das eleições presidenciais no Egito se encerraram agora à noite, entre o candidato da irmandade muçulmana, Mohammed Morsi, e o candidato secular (antigo aliado de Hosni Mubarack), Ahmed Shafiq. Acredita-se que esse pleito definirá se o Egito abraçará a sharia e se tornará um estado islâmico ou se continuará no relativo secularismo proposto por Sahfiq. Entretanto, sabe-se que Egito caminha para sua islamização com qualquer um desses candidatos, pois, em pesquisa feita em 2010, antes da ‘primavera árabe’, quase 85% dos egípcios julgavam positiva a influência do islamismo na política; 59% identificavam-se com o islamismo fundamentalista em sua batalha para impedir a ‘ocidentalização’ (modernização) do país. Somente 20% dos entrevistados estavam preocupados com o ‘extremismo islâmico’ no Egito. Em maio de 2012, outra pesquisa mostrou pouca diferença da anterior. 61% dos egípcios declararam que queriam ver o Egito abandonar seu acordo de paz com Israel e a mesma porcentagem identificou o islamismo da Arábia Saudita como seu modelo referencial. 60% dos entrevistados disseram que as leis egípcias deveriam ser reduzidas às diretrizes do qur’an.
Na sexta-feira, uma célula terrorista operando no Sinai lançou dois mísseis de médio alcance contra Israel, atingindo as imediações de Mitzpe Ramon e do campo do pouso de Uvda (local em que Israel pensa em construir um novo aeroporto internacional). A surpresa é que nenhum desses locais jamais serviu como alvo de mísseis terroristas… Acredita-se que os ataques tenham sido ordenados pela irmandade muçulmana, por meio dos beduínos do Sinai que são abastecidos pelos terroristas do hamas. De acordo com o Egito, que desmantelou a célula terrorista constituída por 22 membros (árabes, egípcios, jordanianos) que vestiam uniformes da polícia e armas (em tática similar àquela utilizada em agosto do ano passado, quando penetraram em Israel e oito israelenses foram mortos), o objetivo desse ataque é desconhecido, sugerindo-se a desestabilização das relações entre os países.
Ainda que Israel espere que o futuro governo mantenha o acordo de 33 anos de estabilidade com Egito, vem se preparando para o aumento da escalada de violência no Sinai.
Se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela” (Salmo 127.1b) – que o SENHOR, Escudo de Israel, guarde Seu povo e Sua terra, porque em vão farão isso os soldados se o SENHOR não for por e com eles. Os Seus olhos estão de contínuo sobre Israel, desde o começo ao fim do ano (Deuteronômio 11.12) – que Seus olhos guardem Israel das investidas inimigas, quer pelas extensas fronteiras a sudoeste, com o Egito, e a oriente, com Jordânia, quer pelas fronteiras ao norte, com Líbano e Síria. Seja por ar, por mar, por terra, por qualquer superfície, SHOMER Israel, guarde Israel como a ‘menina de Seu olho’, para o louvor de Seu Nome.
‘Se o SENHOR não for ao auxílio de Israel, a sua alma ficará no silêncio. Que o SENHOR, em Sua muita benignidade, sustente os pés vacilantes de Israel. Que as consolações de YAH recreiem a alma de todos os soldados israelenses no front. Que aqueles que se ajuntam contra a alma do justo para condenar o sangue inocente, não prevaleçam. O SENHOR é a defesa de Israel; o SENHOR é a Rocha de seu refúgio. Que ELE traga sobre aqueles que buscam seu mal sua própria iniquidade; que o SENHOR destrua a malícia daqueles que perseguem a Israel para a destruir; que aqueles que perseguem a Israel para a aniquilar, vejam eles a aniquilação de seus intentos malignos, em Nome do SENHOR JESUS’ (Salmo 94.17-23).
Que o SENHOR guarde e fortaleça os cristãos no Egito. Que Sua luz neles possa refletir e impactar a muitos radicais muçulmanos e a conversão em massa aconteça como está acontecendo no Irã, para a glória e a honra de nosso Amado SENHOR YEHOSHUA HaMASHIACH.

Um ao outro ajudou, e ao seu irmão disse: Esforça-te” (Isaías 41.6)
Termino esse informe pedindo oração para uma irmã que vive em Israel. Aquele que for tocado pelo ESPÍRITO e desejar conhecer sua história, favor escrever para ela pelo email: mag.farhi@gmail.com.

Revesti-vos, pois, como eleitos de ELOHIM, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade; suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como HaMASHIACH vos perdoou, assim fazei vós também. E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição. E a paz de DEUS, para a qual também fostes chamados em um corpo, domine em vossos corações; e sede agradecidos. A Palavra do MASHIACH habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando ao SENHOR com graça em vosso coração. E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em Nome de ADONAI YEHOSHUA, dando por ELE graças a DEUS PAI
(Colossenses 3.12-17)
Que o DEUS de toda consolação e de toda justiça e de toda ousadia nos cerque com Seu infinito amor nesses dias e que possamos retribuir todo esse amor com a entrega plena de nosso ser a ELE, para que ELE seja tudo em todos.
Com amor e gratidão no MASHIACH de Israel e nosso também,
marciah malkah

Jessica Mendonça (159 Posts)


Copyright © 2010 Igreja Batista Jesus é a Vida.

Produzido por tendaestudio