Ore pela paz de Jerusalém – 01 a 15.03.2012

Purim e a ameaça ‘uraniana’
Assim diz o SENHOR dos Exércitos: EU Me recordei do que fez amaleque a Israel; como se lhe opôs no caminho, quando subia do Egito. Vai, pois, agora e fere a amaleque; e destrói totalmente a tudo o que tiver, e não lhe perdoes; porém matarás desde o homem até a mulher, desde os meninos até os de peito, desde os bois até as ovelhas, e desde os camelos até os jumentos… E Saul e o povo pouparamAgague, eao melhor das ovelhas e das vacas, e as da segunda ordem, e aos cordeiros e ao melhor que havia, e não os quiseram destruir totalmente; porém a toda a coisa vil e desprezível destruíram totalmente…Arrependo-Me de haver posto a Saul como rei; porquanto deixou de Me seguir, e não cumpriu as Minhas Palavras” (1 Samuel 15.2,3.9.11a).

Depois destas coisas o rei Achashverosh engrandeceu a Haman, filho de Hamedata, agagita, e o exaltou, e pôs o seu assento acima de todos os príncipes que estavam com ele… Vendo, pois, Haman que Mordechai não se inclinava nem se prostrava diante dele, Haman se encheu de furor. Porém teve como pouco, nos seus propósitos, o pôr as mãos só em Mordechai (porque lhe haviam declarado de que povo era Mordechai); Haman, pois, procurou destruir a todos os judeus, o povo de Mordechai, que havia em todo o reino de Achashverosh. No primeiro mês (que é o mês de Nisan), no ano duodécimo do rei Achashverosh, se lançou Pur, isto é, a sorte, perante Haman, para cada dia, e para cada mês, até o duodécimo mês, que é o mês de Adar… Se bem parecer ao rei, decrete-se que os matem; e eu porei nas mãos dos que fizerem a obra dez mil talentos de prata, para que entrem nos tesouros do rei. Então tirou o rei o anel da sua mão, e o deu a Haman, filho de Hamedata, agagita, adversário dos judeus… E enviaram-se as cartas por intermédio dos correios a todas as províncias do rei, para que destruíssem, matassem, e fizessem perecer a todos os judeus, desde o jovem até o velho, crianças e mulheres, em um mesmo dia, a treze do duodécimo mês (que é o mês de Adar), e que saqueassem os seus bens” (Ester 3.1,5-7,9,10,13)

A conduta desobediente de Shaul custou-lhe o reino, a vida e, centenas de anos mais tarde, o decreto de extermínio do povo judeu que vivia no exílio, por um descendente de Agague (o rei poupado por Shaul), Haman, que se tornara o segundo homem do reino e cheio de ódio pelos judeus, por causa do ‘impertinente’ Mordechai (parente do rei Shaul).

A história se desenrola com a descoberta do complô por Mordechai e seu aviso à sua sobrinha, judia e rainha do império persa! Exortando-a não se esconder atrás de sua posição, Mordechai admitiu que se ela nada fizesse, ‘YHVH’ levantaria outro para trazer libertação ao povo, mas certamente ela não seria poupada. A resposta de Ester deve ser a resposta de cada um de nós, intercessores guerreiroscrentes na Palavra de YHVH e em Suas fidelidade, bondade e misericórdia:

Então Mordechai mandou que respondessem a Ester: Não imagines no teu íntimo que por estares na casa do rei, escaparás só tu entre todos os judeus. Porque, se de todo te calares neste tempo, socorro e livramento de outra parte sairá para os judeus, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se para tal tempo como este chegaste a este reino? Então disse Ester que tornassem a dizer a Mordechai: Vai, ajunta a todos os judeus que se acharem em Shushan, e jejuai por mim, e não comais nem bebais por três dias, nem de dia nem de noite, e eu e as minhas servas também assim jejuaremos. E assim irei ter com o rei, ainda que não seja segundo a lei; e se perecer, pereci” (Ester 4.13-16)
Por três dias e três noites, os judeus não comeram nem beberam, segurando nas pontas do altar por Ester, que tomara a dor e o lugar de cada judeu, a incumbência de arriscar seu próprio pescoço em detrimento de todo um povo, para ‘encontrar graça diante do rei’. Ao se aproximar dele, quebrantada e humilhada pelo jejum, mesmo não sendo requerida pelo rei, ele a aceitou estendendo-lhe seu cetro de autoridade – o que significa que ela encontrara a graçaa misericórdia real e não a morte pela impertinência!

Ester revelou sua identidade judaica, expôs o plano perverso de Haman e clamou ao rei por seu favor, parareverter a pena de morte em direito à vidaà defesa. Embora não pudesse revogar um decreto seu, o rei autorizou Mordechai, seu recém-eleito 1º Ministro, a escrever cartas às províncias autorizando os judeus a defender-se e tomar os despojos (Ester 8).

Com as boas novas anunciadas os judeus regozijaram-se, porque suas mãos foram soltas – estavam livres para defender-se: “para os judeus houve luz, e alegria, e gozo, e honra. Também em toda a província, e em toda a cidade, aonde chegava a palavra do rei e a sua ordem, havia entre os judeus alegria e gozo, banquetes e dias de folguedo; e muitos, dos povos da terra, se fizeram judeus, porque o temor dos judeus tinha caído sobre eles” (Ester 8.16,17).
Estavam como na profecia em Isaías 61.2,3 ali parcialmente cumprida: “A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso DEUS; a consolar todos os tristes; a ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê glória em vez de cinza, óleo de gozo em vez de tristeza, vestes de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem árvores de justiça, plantações do SENHOR, para que ELE seja glorificado”.
Isso aconteceu há 2400 anos. Entretanto, hoje (num cenário que vem sendo preparado há mais de oito anos), a Pérsia-Elão movimenta o cenário, com o haman khamenei e seus sátrapas (imans ou mulahs), governadores (ahmadinejad) e líderes da guarda revolucionária islâmica desejando e proclamando a destruição de Israel e de todos os judeus. No começo do mês de fevereiro, um analista próximo a khamenei escreveu em um site do governo que a ‘oportunidade de remover o material corrompido (Israel) não deve ser perdida. Isso garante a ‘justificativa com jurisprudência’ de matar todos os judeus e aniquilar Israel’. O mesmo acrescentou que serão necessários menos de nove minutos para destruir Israel.

Netanyahu, como o Mordechai de nossos dias, tem alertado o mundo das intenções malévolas do Irã. Desde o princípio de seu governo, tem incessantemente mostrado as intenções nucleares não pacíficas daquele país… e o mundo tem se calado. Há três meses, as nações foram ‘surpreendidas’ com a confirmação dos alertas feitos por Netanyahu, quando o relatório da IAEA (Agência Internacional de Energia Atômica) mostrou que ‘Urã’ tem ‘irânio’ suficiente para fazer quatro ogivas nucleares e está no caminho para tal!

Como é perigosa a procrastinação! “O SENHOR jurou que haverá guerra do SENHOR contra Amaleque de geração em geração” (Êxodo 17.16), e as nações não têm se mexido e, ao mesmo tempo, tem atado as mãos de Israel impedindo-a de agir – até o momento, o ‘amalequita’ (ali khamenei, os imans iranianos, o islamismo fundamentalista xiita, ahmadinejad) tem sido preservado!

Netanyahu se encontrará com Obama no começo de março. Em vez de apoio, espera-se mais e mais pressão sobre Israel para que não ataque Irã e dê mais tempo às sanções econômicas. A alegação é a de que se Israel atacar o Irã, o preço do petróleo subirá vertiginosamente (segundo analistas), o que trará abalo econômico aos EUA, colocando em risco a candidatura à reeleição de obama (esse filho de belial destemperado). De acordo com os mesmos analistas, um ataque ao Irã retardaria em alguns anos seu projeto nuclear, em vez de sua completa destruição. Analistas políticos alemães julgam que Israel está preparada e tem recursos para atacar o Irã; analistas norte-americanos têm opinião diametralmente oposta.
Temos orado pelo cumprimento de Jeremias 49.34-39 (fiz menção desse texto no informe da primeira quinzena de fevereiro), e que aponta para a destruição do Elam. Entretanto, eu via Elam como correspondendo a todo o atual Irã, o que não me respondia algumas questões como o tempo para o cumprimento da profecia em Ezequiel 38-39 (até que Irã se recompusesse da profecia de Jeremias 49 para voltar ao cenário em Ezequiel 38-39 demoraria muito tempo…) e mesmo a ausência do Irã no cumprimento doSalmo 83, uma vez que o Irã tem financiado Síria, Líbano, Gaza, alguns dos países da ‘confederação árabe’ que se levantará contra Israel em algum momento (o frágil equilíbrio das relações no Oriente Médio pode ser abalado a qualquer momento).
Na semana passada, ao ler um texto (The Dual Prophecies of Iran – Part Two, Bill Salus, in Prophecy Depot, February 21,2012, http://www.prophecydepot.net/2012/the-dual-prophecies-of-iran-%e2%80%93-part-two/) com um mapa ilustrativo, meus olhos foram abertos para um detalhe que está no livro de Daniel 8.2 – “Sucedeu que, quando vi, eu estava na cidadela de Shushan, na província de Elam; vi, pois, na visão, que eu estava junto ao rio Ulai”.Shushan era a capital do Elam e passou às mãos dos persas (por Ciro) no século 6º aC, embora Daniel e Nchemyah vivessem nela ainda sob domínio babilônico. Provavelmente, a história de Ester aconteceu no 5º século (460aC), antes do regresso de Ezra a Israel.E todo o enredo do livro de Ester se passa em Shushan, na província do Elam, que fazia parte do império persa!


(http://en.wikipedia.org/wiki/Susa)
Elão (Elam) e Pérsia (Paras) compõem o que corresponde ao Irã nos dias atuais. Mas, os profetas Jeremias e Ezequiel, contemporâneos (2500 anos atrás), falaram dessas duas regiões, identificando-as como entidades diferentes, porque reconheciam etnias distintas e localizações territoriais diferentes, ainda que contíguas (vide mapa acima).
“Os persas, e os lídios, e os de Pute eram no teu exército os teus soldados; escudos e capacetes penduraram em ti; eles manifestaram a tua beleza” (Ezequiel 27.10)“Persas, etíopes, e os de Pute com eles, todos com escudo e capacete” (Ezequiel 38.5).

Ezequiel fala dos persas nos capítulos 27 e 38, o que significa que estarão presentes na batalha de Gog e Magog, não como a força principal, mas em aliança com Rússia (provavelmente) e outras nações. Embora profetize sobre Elam, Meseque e Tubal no capítulo 32, só se refere aos dois últimos no capítulo 38, deixando de mencionar Elam propositadamente.

Certamente, o profeta distingue as duas entidades Pérsia e Elam. O primeiro estará presente na coligação que se levantará contra Israel nos últimos dias (e sabemos que não são os dias atuais, porque Israel não vive em paz, em segurança, em cidades sem muro, ainda não foi o momento da terra se recuperar da espada (provável alusão ao ataque da confederação árabe do Salmo 83) e tem grandes riquezas, ao ponto de provocar desejos naquelas nações para virem buscar seus enormes despojos – Ezequiel 38.8,10,11,13).

Por que Ezequiel não incluiu Elam no contexto de Gog Magog? Porque há uma destruição profetizada para ele, corroborando com a profecia de Jeremias:

Ali está Elam com toda a sua multidão em redor do seu sepulcro; todos eles mortos, abatidos à espada;desceram incircuncisos às partes mais baixas da terra, causaram terror na terra dos viventes e levaram a sua vergonha com os que desceram à cova. No meio dos mortos lhe puseram uma cama, entre toda a sua multidão; ao redor dele estão os seus sepulcros; todos eles são incircuncisos, mortos à espada; porque causaram terror na terra dos viventes, e levaram a sua vergonha com os que desceram à cova; foi posto no meio dos mortos” (Ezequiel 32.24,25)

A Palavra do SENHOR, que veio a Jeremias, o profeta, contra Elão, no princípio do reinado de Zedequias, rei de Judá, dizendo: Assim diz YHVH Tsevaot: Eis que EU quebrarei o arco de Elãoo principal do seu poder. E trarei sobre Elam os quatro ventos dos quatro cantos dos céus, e os espalharei na direção de todos estes ventos; e não haverá nação aonde não cheguem os fugitivos de Elam. E farei que Elam tema diante de seus inimigos e diante dos que procuram a sua morte; e farei vir sobre eles o mal, o furor da Minha ira, diz o SENHOR; e enviarei após eles a espada, até que venha a consumi-los. E porei o Meu trono em Elam; e destruirei dali o rei e os príncipes, diz o SENHOR. Acontecerá, porém, nos últimos dias, que farei voltar os cativos de Elam, diz o SENHOR” (Jeremias 49.34-39)

O que há na região que correspondente ao Elam, hoje? A primeira central nuclear a funcionar no Irã, em Bushehr, às margens do Golfo Pérsico. Começou a funcionar em agosto do ano passado, depois que suas hastes foram abastecidas com combustível nuclear pela Rússia. A previsão era de que estivesse funcionando com 100% de sua capacidade no mês de fevereiro, com a produção de 1000 megawatts de eletricidade mensais.

Um ataque a ela ou um terremoto na região resultaria em chuva radioativa, ou seja, contaminação da população e do território, o que provocaria a evasão daquela área, como anunciado em Jeremias 49.36.

(imagens da região em Bushehr - http://www.fas.org/nuke/guide/iran/facility/bushehr.htm)

Um ataque a ou um terremoto nessa localidade não acabaria com os sonhos nucleares iranianos, mas os retardaria, o que poderia trazer desestabilidade ao governo e a queda do rei e seus príncipes (aiatolá e mulahs), sabendo-se, de acordo com especialistas, o grande alvo de khamenei é transformar o Irã num califado, em que ele se torne o califa, obviamente.

Israel está com navios de guerra nas águas do Mar Arábico, no Golfo de Oman, às portas do estreito de Hormuz, após permissão da própria Arábia Saudita (‘o inimigo de meu inimigo é meu amigo’ – Irã, como inimigo de Israel e da Arábia Saudita, faz com que Israel se torne ‘amiga’ da Arábia Saudita, por causa do inimigo em comum!). A posição estratégica e secreta das embarcações permitirá que Israel tenha base de operação mais próxima do alvo, em caso de ataque.

Nas últimas semanas, o Irã tomou algumas medidas antagônicas, conflitantes, atirando para todos os lados, sendo conduzido de um lado para outro pelo ‘anzol que YHVH pôs em seu nariz’ (Isaías 37.29): segue ameaçando o fechamento do estreito de Hormuz, caso EUA e Europa levantem sanções contra a exportação de petróleo e seu banco central; imediatamente após a condenação da Síria pela ONU por crimes contra a população (estima-se que mais de 6000 cidadãos sírios foram assassinados por Bashar al-Assad), aportou um navio de guerra iraniano (recebeu permissão do Egito de atravessar o Canal de Suez) na Síria, em apoio ao presidente; solicitou o reinício das conversações com as entidades internacionais sobre seu programa nuclear; cancelou manobras militares; organizou ataques ao pessoal diplomático de Israel nas embaixadas da Índia, da Tailândia e da Geórgia; ameaçou embargo do petróleo aos países europeus; anunciou novos avanços nucleares.

Comentei com os irmãos previamente o que me dissera o SENHOR com respeito à ‘medida da injustiça dos amorreus’ (Gênesis 15.16) e de que ‘faltava muito pouco para que a medida da injustiça do Irã estivesse cheia; então a ira do SENHOR transbordaria em julgamento (não para destruição, mas para conversão). Na última sexta-feira, em oração por Israel com irmãs preciosas, ao ler a passagem em Joel 3.2,12 e dizendo o significado do nome Yehoshafat (Jeosafá) – YHVH julgou – entendi que o SENHOR dizia que ‘a medida da injustiça do Elam estava cheia, transbordante’ e que O Justo Juiz, Aquele que julga com justiça e retidão todas as coisas, encontrou o Elam em falta!

E arrogância do homem será humilhada, e a sua altivez se abaterá, e só o SENHOR será exaltado naquele dia” (Isaías 2.17)

. EU quebrarei o arco de Elamo principal do seu poder – tem a ver com o poderio militar e nuclear que ‘Urã’ está perseguindo e tem a ver com o islamismo shiita ‘uraniano’, com o aiatolá e seus mulahs, com esse movimento revolucionário que gerou um monstro teocrata. Que o SENHOR quebre, de fato, todas as expectativas do Irã de possuir armas nucleares e que isso seja o fim dos aiatolás e dos mulahs e o princípio do fim, do desmantelamento do islamismo, de seu enfraquecimento, implosão e morte, em Nome do SENHOR JESUS.
Que seja paralisado o intento de transformar o Irã num califado, numa teocracia despótica e satânica, em Nome do SENHOR JESUS.
. quatro ventos dos quatro cantos dos céus – tem a ver com Seu julgamento, trazendo as nações contra o Irã.Prossigamos em clamar para que o Irã cometa erros diplomáticos graves e que seja removida toda a procrastinação das nações, sua apatia e medo de agir. Sim, que o Irã cometa erros diplomáticos graves que levem as nações da Terra a tomar medidas extremas, se necessário for, em Nome do SENHOR JESUS CRISTO, em Seu tempo perfeito.

Certa ocasião, o SENHOR me mostrou que Seu juízo é carregado das gotas de orvalho de misericórdia! Em uma terra seca e desértica, o orvalho pode encher uma grande cisterna! Por essa razão, clamemos pela salvação de multidões e multidões de iranianos. Inclusive, clamemos pela salvação de ahmadinejad, ali khamenei e os outros mulahs do Irã, para que o inimigo seja completamente envergonhado e o Nome de YHVH santificado!

E, por causa da arrogância dos líderes iranianos, da soberba em seu coração, não é difícil cometer erros políticos crassos, por causa da megalomania. “Por causa do teu furor contra Mim, e porque a tua arrogância subiu até os Meus ouvidos, portanto porei o Meu anzol no teu nariz e o Meu freio nos teus lábios, e te farei voltar pelo caminho por onde vieste” (Isaías 37.29) – que o SENHOR continue a lançar o Irã em todo antagonismo de decisões, ao ponto de forçar as nações a tomar atitudes severas. Que o SENHOR coloque freios nos lábios dos líderes do Irã, para que não haja unidade de posição. Que a confusão no parlamento prossiga, colocando ahmadinejad contra os líderes políticos, não encontrando coro às suas decisões de governo.

Aproveito para lembrar os irmãos do Pr Yousef Nadarkhani, pastor evangélico iraniano, preso há 3 anos, por sua conversão. Seu caso foi julgado e ele foi condenado à morte (sem direito à apelação), e poderá ser executado a qualquer momento (sem aviso prévio). Não sabemos se ainda está vivo. Clamemos para que o SENHOR use essa situação para trazer avivamento no Irã; seu testesmunho de vida e fé, não renegando o amor a CRISTO JESUS tem despertado muitos iranianos. Aconteã com seus carcereiros o mesmo que ocorreu nos dias de Paulo e Timóteo, presos, e adorando ao SENHOR, foram testemunhas de um terremoto que abriu suas cadeias. Que o Nome do SENHOR seja louvado em toda essa situação e Sua perfeita vontade seja estabelecida, para a honra do Seu Nome e vergonha de allah.

. e os espalharei na direção de todos estes ventos – clamemos pela salvação de multidões de iranianos para que sejam testemunho vivo de YAH pelas nações para onde forem enviados, por causa do juízo de YAH sobre o Irã. Há muitos no Irã que estão sendo achados pelo SENHOR (HalleluYAH!). Que muitos mais venham a conhecê-lO, recebê-lo e servi-lO como SENHOR e Salvador.

Clamemos ainda que o shofar de YHVH (Seus ventos de alerta) seja tocado e os habitantes do Elam tenham ouvidos para ouvir e coração para obedecer, a fim de que fujam para as nações da Terra antes que venha a sua destruição. Assim como os animais que têm um sentido aguçado quando o perigo se aproxima, assim sejam os habitantes do Elam, em Nome do SENHOR JESUS CRISTO. E que, ao migrarem, entendam que ELOHEI Israel deu-lhes o alerta e se convertam ao MESSIAS de Israel, para a glória e a honra dELE mesmo!

Que o Irã tema e trema diante das nações e seja humilhada sua arrogância e perversidade, em Nome do MASHIACH YEHOSHUA.

. porei o Meu trono em Elam – na medida em que o SENHOR estiver salvando as pessoas, estará Se assentando no trono do Elam, porque allah está sendo destronado daquele lugar, nas muitas conversões que tem havido e que acontecerão, para a glória e a honra do SENHOR YEHOSHUA HaMASHIACH. HalleluYAH!

. destruirei dali o rei e os príncipes, diz o SENHOR – PAI Amado, Todo Poderoso, ELOHEI Israel, assenta-Te no trono do Elam, destronando ali khamenei, ahmadinejad, os mulahs, os líderes da guarda revolucionária iraniana e todos aqueles que são favoráveis ao regime shiita, e reina sobre o Irã, em Nome do SENHOR JESUS CRISTO. TU tens muito povo no meio daquele povo. Engrandece Teu Nome no meio de Teus inimigos, exalta-Te diante deles para que saibam e entendam que só TU és YHVH, SENHOR e não há outro deus além de Ti. Em Nome de YEHOSHUA HaMASHIACH!

Especialistas israelenses afirmam que as chances de paralisar o programa nuclear iraniano são cada vez mais remotas e que ainda existe uma pequena janela a ser explorada. Mas, são unânimes em declarar que um ataque após o verão será muito tardio!

Durante toda a última semana, Êxodo 14.15 me vinha à mente constantemente, quando o SENHOR exortou o povo a marchar sobre o impossível (o mar à frente e os exércitos de faraó às costas). E quando o povo marchou, o impossível se abriu em um caminho seco, seguro, plano!!!

Se o SENHOR tem o objetivo de usar Israel para envergonhar o inimigo:
- que ELE tome Netanyahu e lhe diga: “Por que clamas a Mim? Dize aos filhos de Israel que marchem”!
- que ELE levante o espírito de David em toda a casa de Israel, diante do gigante ‘uraniano’: “Então falou David aos homens que estavam com ele, dizendo: Que farão àquele homem, que ferir a este filisteu, e tirar a afronta de sobre IsraelQuem é, pois, este incircunciso filisteu, para afrontar os exércitos do DEUS Vivo?” (1 Samuel 17.26).
- que cada judeu em Israel, que cada soldado (da menor à maior patente) tenha a consciência palpável que teve David ao desafiar o gigante, de que é parte integrante de um exército maior, o do DEUS Vivo (EL Chai), e de que está pelejando as guerras do DEUS Vivo e que ELE não nos deixará nunca na mão, mas nos guardará, nos protegerá, nos dará vitória, por causa do Seu Nome, para a honra dELE mesmo, por causa dELE mesmo! HalleluYAH!!!
- que cada um em Israel tenha seu caráter forjado pelo SENHOR, de um guerreiro sionista bíblico, que entende que, como servindo a nação primogênita, cabeça e chefe das nações, tem que assumir sua posição e ir adiante, como seguiam os exércitos da tribo de Yehudah, que ia adiante de Israel, seguindo a Nuvem e aColuna de fogo, perseguindo a Presença de YHVH.
- que cada judeu conheça ao DEUS Vivo e nELE confie, para a glória do Seu Eterno e Soberano Nome.
De 7 a 9 de março será a celebração de Purim – celebração do livramento, da vitória do Cordeiro sobre satanás (celebrada desde a vitória do povo judeu sobre haman e seus intentos malignos, porque aquilo que desejava não o obteve, para a glória e a honra e o louvor e a adoração do Santo de Israel – Ester 9). No dia 7 de março, o povo judeu fará o jejum de Ester.

Jejuemos e oremos por toda essa situação, como fez Ester, no dia 7 de março, juntamente com todo Israel, clamando por Seu favor, Seu livramento, Sua intervenção, Seu milagre de Purim no Oriente Médio.

Clamemos por nós, Corpo do MESSIAS, para que, como intercessores, o SENHOR nos conduza à brecha por Israel e nos levante como Ester, dispostos a permanecer em Sua presença,  com jejuns e orações, em favor da Sua Casa, em favor de nossos irmãos e amigos, para que encontremos graça diante dELE e tenhamos Seu cetro de favor e aceitação estendido a nós, a fim de clamarmos a ELE (aquilo que estará em Seu coração) e por ELE sermos atendidos em nossas petições mais sinceras e despojadas de qualquer outro desejo senão o de testemunhar e testificar Sua glória e Sua honra estabelecidas nessa situação e Seu Reino triunfante no Elam:

que fosse ter com o rei, e lhe pedisse e suplicasse na sua presença pelo seu povo” (Ester 4.8);

Disse outra vez o rei a Ester, no segundo dia, no banquete do vinho: Qual é a tua petição, rainha Ester? E se te dará. E qual é o teu desejo? Até metade do reino, se te dará. Então respondeu a rainha Ester, e disse: Se, ó rei, achei graça aos teus olhos, e se bem parecer ao rei, dê-se-me a minha vida como minha petição, e o meu povo como meu desejo. Porque fomos vendidos, eu e o meu povo, para nos destruírem, matarem, e aniquilarem de vez; se ainda por servos e por servas nos vendessem, calar-me-ia; ainda que o opressor não poderia ter compensado a perda do rei” (Ester 7.2-4)

Clamemos pelo encontro de Netanyahu com a liderança norte-americana no começo de março, para que aquilo que é esperado (pressão, negação de defesa, procrastinação) sofra uma guinada de 180º. Que o SENHOR incline o coração de faraó para fazer a Sua perfeita vontade. Que Netanyahu saia dos EUA com asmãos livres, como a carta viva do ‘edito de direito de defesa’, em Nome do Poderoso de Israel, como aconteceu com Mordechai e Ester:

Escrevei, pois, aos judeus, como parecer bem aos vossos olhos, em nome do rei, e selai-o com o anel do rei; porque o documento que se escreve em nome do rei, e que se sela com o anel do rei, não se pode revogar… E escreveu-se em nome do rei Assuero e, selando-as com o anel do rei, enviaram as cartas pela mão de correios a cavalo, que cavalgavam sobre ginetes, que eram das cavalariças do rei. Nelas o rei concedia aos judeus, que havia em cada cidade, que se reunissem, e se dispusessem para defenderem as suas vidas, e para destruírem, matarem e aniquilarem todas as forças do povo e da província que viessem contra eles, crianças e mulheres, e que se saqueassem os seus bens, num mesmo dia, em todas as províncias do rei Assuero, no dia treze do duodécimo mês, que é o mês de Adar” (Ester 8:8,10-12).
A Bíblia contém promessas inesgotáveis de salvação, reconciliação, vitória, restauração do povo judeu com seu SENHOR. Toda a Bíblia é a Carta de YHVHselada com o anel real (sangue de JESUS é a garantia desse selo) e irrevogáveis! Abençoemos Israel com Suas promessas de vitória e vida! HalleluYAH!

Louvado seja YAH que confessou, recentemente, que YHVH estava ao lado de Israel contra as ameaças inimigas, bem como confirmou que Israel tem o direito, mesmo a responsabilidade, de defender-se.

DEUS não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que Se arrependa; porventura diria ELE, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria? Eis que recebi mandado de abençoar; pois ELE tem abençoado, e eu não o posso revogar. Não viu iniqüidade em Israel, nem contemplou maldade em Jacó; o SENHOR seu DEUS é com ele, e no meio dele se ouve a aclamação de um rei. DEUS os tirou do Egito; as suas forças são como as do boi selvagem. Pois contra Jacó não vale encantamento, nem adivinhação contra Israel; neste tempo se dirá de Jacó e de Israel: Que coisas ELOHIM tem realizado! Eis que o povo se levantará como leoa, e se erguerá como leão; não se deitará até que coma a presa, e beba o sangue dos mortos” (Números 23.19-24).

Clamemos por Netanyahu e pelo governo de Israel, para que haja discernimento, sabedoria, ousadia, coragem, força, unidade e determinação em fazer aquilo que devem fazer, aquilo que está no centro da vontade de ELOHEI Israel. Para tal, clamemos para que sejam guiados pelo Espírito de YAH. Que recebam estratégias sobrenaturais ao buscarem Sua face durante os cultos de shabat e estudo do Tanach e em outros momentos de meditação da Palavra:

Não temas, tu verme de Jacó, povozinho de Israel; EU te ajudo, diz o SENHOR, e o teu Redentor é o Santo de Israel. Eis que farei de ti um trilho novo, que tem dentes agudosos montes trilharás e moerás; e os outeiros tornarás como a praganaTu os padejarás e o vento os levará, e o redemoinho os espalhará; mas tu te alegrarás no SENHOR e te gloriarás no Santo de Israel” (Isaías 41.14-16) – use o SENHOR Israel como Seu machado e Suas armas de guerra (Jeremias 51.19-23), para o louvor e a glória de Seu Santo Nome. Padeje Israel ao Elam para que os ventos das nações os levem como redemoinho e os espalhe pelas nações da Terra, para que saibam e entendam que ELOHEI Israel não é como allah que é nada, mas é o Santo e o Todo Poderoso, Criador do céu e da Terra e que tem Um Filho sim, Seu Primogênito que veio em carne, foi crucificado e morto por nossos pecados e ressuscitou ao 3º dia, deixando Sua sepultura vazia, porque subiu ao céu e está sentado à destra de DEUS PAI, aguardando o momento em que todas as coisas LHE serão sujeitas, e tudo será depositado debaixo de Seus pés!

Que todo espírito de Dalila, que rouba informações cruciais e de questão de sobrevivência, seja banido do meio de Israel e das reuniões com Washington, para que Israel não se torne um Sansão (Juízes 16.16). Que o espírito de humildade e sobriedade sejam mantidos por toda a liderança israelense e ninguém queira contar vantagem, como fez o rei Ezequias (2 Reis 20.12-19), em Nome do SENHOR JESUS.

Embora Achashverosh não pudesse impedir o ataque contra os judeus em 13 do décimo segundo mês, garantiu que tivessem o direito à auto-defesa, podendo destruir, matar e aniquilar qualquer força armada de qualquer nacionalidade ou província que se levantasse para matá-los. Além disso, receberam o direito de saquear a propriedade de seus inimigos (Ester 8.11). E o SENHOR trouxe vitória ao Seu povo, com nenhuma baixa do Seu lado e muitas baixas do lado oponente, além da morte de haman, na forca que estava preparando para Mordechai.

Louvemos a YAH, porque ‘sobre Yaacov não vale encantamento nem adivinhação contra Israel’ (Números 23.23) e aquilo que intentou Haman fazer contra Israel (tirando a sorte para determinar a data satânica de extermínio do povo judeu), reverteu contra si. Aquilo que os inimigos de Israel intentam fazer contra ela, será sobre suas cabeças.

Toda a ferramenta preparada contra ti não prosperará, e toda a língua que se levantar contra ti em juízo tu a condenarás; esta é a herança dos servos do SENHOR, e a sua justiça que de Mim procede, diz o SENHOR” (Isaías 54.17) – que o SENHOR ponha um freio na boca dos líderes do Irã para que parem de declarar impropérios contra Israel, pois certamente recairá sobre eles. Que nenhuma das ferramentas que os inimigos de Israel têm preparado e estão preparando seja efetiva (mídia, diplomática, militar, econômica), em Nome do SENHOR JESUS. Todas as forcas que os inimigos têm preparado para Israel sejam destinadas aos próprios inimigos. Que khamenei, os imans e ahmadinejad se enforquem nos próprios erros diplomáticos e estratégicos que oramos para que cometam. Embora esses indivíduos dobrarão seus joelhos e confessarão que YEHOSHUA é o SENHOR (para a glória de DEUS PAI), que eles falam a confissão sincera de um coração arrependido, entregando suas vidas para JESUS – a maior vingança contra satanás!

Bem-aventurado tu, ó Israel! Quem é como tu? Um povo salvo pelo SENHOR, o Escudo do teu socorro, e a Espada da tua majestade; por isso os teus inimigos te serão sujeitos, e tu pisarás sobre as suas alturas” (Deuteronômio 33.29) – que haja sabedoria sobrenatural e poder para lidar com todas as ameaças que Israel enfrenta hoje (Síria, hisb’allah, hamas, Egito, Irã). Clamemos pelo tempo perfeito, aquele determinado por YAH para que todos esses eventos aconteçam e no Seu momento exato.

Clamemos para que Israel se torne invisível aos seus inimigos, quer para atacá-la em seu próprio território ou quando ela estiver atacando território inimigo. Clamemos pela proteção de civis e militares em Israel. Que o SENHOR envie Seus anjos guerreiros, Seus anjos guardadores e vigias para formar um muro de defesa impenetrável a qualquer ataque (físico e espiritual) contra Israel. Não permita o SENHOR que nenhum fio de cabelo de cada cidadão em Israel caia sem que ELE o tenha permitido e determinado, para a glória do Seu Nome Santo – “Reinos da Terra, cantai a ELOHIM, cantai louvores a YHVH (Selá). Aquele que vai montado sobre os céus dos céus, que existiam desde a antiguidade; eis que envia a Sua voz, dá um brado veemente. Atribuí a DEUS fortaleza; a Sua excelência está sobre Israel e a Sua fortaleza nas mais altas nuvens. Ó DEUS, TU és tremendo desde os Teus santuários; ELOHEI Israel é O Que dá força e poder ao Seu povo. Baruch ELOHIM!” (Salmo 68.32-35).

Se o SENHOR escolher utilizar Israel para lidar com o Irã militarmente, clamemos para que seus líderes sejam sábios; as FDI usam as corretas armas, no momento certo e na condição perfeita; que as táticas militares nasçam no céu (sejam super criativas); que a indústria militar em Israel crie novos sistemas de defesa e ataque que surpreendam os maiores especialistas, suprindo todas as necessidades exigidas (Salmo 144.1,2a).

Clamemos para que o SENHOR espalhe o pânico entre os inimigos de Israel, como fez no passado (Êxodo 14.25; Juízes 7.19-22; 1 Samuel 17.50,51; 2 Reis 7.5-7).

Que Israel se torne líder nas táticas de guerra cibernética. Que os planos inimigos sejam expostos, em Nome do SENHOR JESUS.

P.S. – para melhor compreensão da história de Ester, por favor, dirija-se ao blog do irmão Ap. Paulo de Tarso, da Bet Lechem http://bloglehem.blogspot.com/

Como fonte turvada, e manancial poluído, assim é o justo que cede diante do ímpio” (Provérbios 25.26)
Christ at the checkpoint (Cristo no posto de controle) é o nome de uma conferência ‘cristã’ que ocorrerá em Bet Lechem, dos dias 5 a 9 de março.
O logo dessa conferência (figura abaixo) é malévolo, porque envia a mensagem de que O Messias de Israel, o Perfeito Judeu (e não ‘palestino’, como dizem os árabes que vivem em Israel), YEHOSHUA, não tem livre acesso a Israel, mas tem que passar pelo posto de controle israelense.

Declaremos que YEHOSHUA não nasceu numa Bet Lechem árabe, mas na Bet Lechem judaica. Declaremos o que ELE mesmo fala de Si, na Revelação de JESUS CRISTO: “eis aqui o Leão da tribo de Yehudah, a Raiz de David, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos… EU, YEHOSHUA, enviei o Meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. EU Sou a Raiz e a geração de David, a resplandecente estrela da manhã” (5.522.16) – ELE é o descendente de David, o Leão da tribo de Yehudah, ELE é o seu REI e tem livre acesso em Israel. ELE não é alguém que nasceu sem povo, sem origem, sem identidade, sem raiz, sem entidade, sem terra. Existe uma história muito bem documentada de Sua ascendência carnal.
Se honestamente e com atenção observarmos a origem dos chamados ‘palestinos’ e da dita ‘palestina’, o que há para responder? Quem foi seu descobridor, seu fundador, suas personalidades de destaque? Qual é seu hino, sua bandeira, quais são suas datas comemorativas? Quem são seus ascendentes? Onde está sua história, seu passado verdadeiro (não aquele que tem sido criado pelos inventores de história, sem qualquer base arqueológica, científica e documental para provar as mentiras que andam espalhando)? O que os identifica como um povo, uma nação? Onde estão seus achados arqueológicos que revelem sua origem? Para essas perguntas só há evasivas e nenhum fato histórico.
Evangélicos e cristãos de todo o mundo estão sendo convidados para esse evento patrocinado pelo Bethlehem Bible College, com a finalidade de apoiar ‘uma justa solução para o conflito israelo-árabe’. Entretanto, a agenda real dessa conferência está mais ligada ao anti-semitismo, ao ‘supersessionismo’ e à ‘teologia da substituição’**. A premissa desse evento (desde seu logo) é mostrar como os árabes vivem sob brutal ‘ocupação’ israelense. Tanto é que Israel é acusada de ‘apartheid’ sobre os árabes que vivem em Israel, uma vez que vivem separados por muros e postos de controle. Enquanto a percepção árabe das torres de vigilância e postos de controle é a de ‘discriminação e humilhação’, a leitura que Israel faz dos muros é de salvamento de vidas israelenses!
Onde há conflitos, há dois lados. E essa conferência só está evidenciando o lado árabe, como aconteceu no primeiro evento em 2010, onde um dos palestrantes, Mitri Raheb, nascido em Bet Lechem, pôs em dúvida a origem dos atuais judeus, que nada teriam a ver com os judeus da época de JESUS e chamou para si e para os habitantes árabes locais a similaridade genética com rei David e o próprio JESUS. Um dos arquitetos da conferência foi o anglicano Stephen Sizer, que nega ser anti-semita, é o verdadeiro racista, porque não gosta de judeus e anda com aqueles que negam o Holocausto, ao ponto de defender ahmadinejad.
O que se esperar da conferência desse ano, quando alguns dos convidados são notoriamente anti-israelenses? O que esperar, sabendo-se como foram as conferências anterioires?
- a começar do título, colocando os controles fronteiriços israelenses como o tema central das preocupações dos árabes cristãos, emoldurando todo o conflito israelo-árabe em termos da suposta opressão e abusos de Israel, sem mencionar qualquer contexto histórico ou político que levou a tais postos de controle, sem alegar opressão e abuso por parte dos árabes no passado e no presente;
- ainda que haja uma pretensa ‘esperança de paz e reconciliação’ entre os seguidores de JESUS, tristemente a estrutura da conferência que foca só no lado maligno da ‘ocupação por parte de Israel’, e o comportamento anti-semita dos organizadores e palestrantes, põem por terra qualquer esperança de reconciliação, antes mesmo do início da conferência. Se posicionam como se o único desafio dos cristãos árabes fosse a ‘ocupação’. Infelizmente se esquecem de que eles e não Israel, são os que vivem em ‘territórios ocupados’, porque uma vez que toda a terra pertence aos descendentes de Avraham em Yaacov (e não em Ishmael e/ou Esav), os atuais ocupantes de Bet Lechem, Shechem, Chevron e outros são estrangeiros e ‘ilegais’!!!
- o fato de considerar o sionismo como um movimento político, e não uma revelação bíblico-cêntrica, mina toda conversação de paz e reconciliação, que exige que sejam expostos os dois lados da moeda. Enquanto se faz menção do sionismo, não se menciona qualquer ato de violência perpetrado contra os judeus pelos árabes, quer do fatah, do hamas, da jihad islâmica que, constantemente atacam civis israelenses.
Um dos objetivos primários da conferência é ‘atacar os cristãos sionistas’, porque ‘criaram’ uma teologia da terra que marginaliza e cassa os direitos civis da população nativa’ (com isso se referem aos árabes). Declaram que o sionismo é um movimento puramente político etnocêntrico, que privilegia um povo em detrimento de outros, varrendo toda a conexão de YAH com Seu povo escolhido e Suas alianças para debaixo do tapete da intolerância, do anti-semitismo, da mentira,da negação que aqueles têm à terra, porquanto direito irrevogável, por aliança eterna e inquestionável. Negar isso é negar a própria Bíblia. Se os árabes são o povo original da terra, então JESUS nasceu numa Belém árabe??? O Salvador nasceu num ‘território ocupado’???
Cristãos sionistas são aqueles bíblico-cêntricos que apóiam a existência do Estado de Israel e crêem que Eretz Israel pertence aos descendentes de Avraham, Itschaq e Yaacov e que os estrangeiros têm direito de nela viver (como dito nas Escrituras), não para estabelecer um outro estado independente, mas para viver sob o governo de liderança judaica (de acordo com as Escrituras). Para Tony Campolo, um dos palestrantes, censura-nos (porque eu sou uma sionista bíblica, com toda a certeza) por sermos ‘cegos seguidores de Schofield e Darby, e precisamos superar isso, seguir adiante, porque é uma ‘teologia fora de moda’…
Sabem qual é o maior sionista bíblico? O Espírito Santo, o Autor da Palavra! Toda a Bíblia é sionista. YHVH é sionista; YEHOSHUA é sionista, porque ELE é a Palavra!!!
Atacar o sionismo bíblico com a afirmação de que as promessas de YAH para com Israel são ‘nulas e anuladas’, reitera a teologia da substituição e o supersessionismo, que invalida o povo judeu e sua aliança com DEUS, despojando a mensagem bíblica da redenção para todos por meio do MESSIAS YEHOSHUA, um Judeu, de sua relação íntima com o povo escolhido de Israel, descendentes de Avraham, Itschaq e Yaacov, e propala uma interpretação bíblica que demoniza o povo judeu, resultando no que temos visto, centenas de anos de anti-semitismo cristão e perseguição a este povo. Esse é o resultado perverso, cruel e satânico da teologia da substituição e do supersessionismo.
** SupersessionismoTeologia da Substituição ou Teologia do Cumprimento são interpretações bíblicas sobre o Novo Testamento, onde a relação de DEUS com os cristãos é vista como a ‘substituição’ ou ‘cumprimento’ ou ‘finalização’ das promessas feitas aos judeus e prosélitos. Uma vez que a relação de DEUS com Seu povo é expressa na forma de ‘pactos’ ou ‘alianças’, o controverso elemento do supersessionismo é a idéia de que a Nova Aliança com os cristãos e a igreja cristã substitui, toma o lugar, cumpre e completa a Aliança Mosaica (Torah) com os israelenses filhos de Noach  (definição de Wikipedia).
A ‘teologia da libertação árabe’ também está na agenda da conferência, tendo tudo a ver com a ‘luta por liberdade sobre sua terra ocupada’. E, claro, Israel é o vilão ocupante e opressor dos ‘pobres’ árabes que vivem em Israel! Se Israel não desse liberdade aos árabes, eles não elegeriam representantes no parlamento israelense. Se não desse liberdade, eles não teriam eleito o hamas em Gaza. Se não desse liberdade, Israel não sofreria ataques diários em suas cidades e assentamentos no Negev, vindos da terra sem liberdade chamada Gaza. Certamente, é território opresso, mas por causa dos próprios líderes árabes que vivem ali.
Certamente, nessa conferência não serão comentados os assassinatos que ocorreram no ano passado, perpetrados por árabes contra judeus. Não serão mencionados os cinco integrantes da família Fogel, incluindo a pequena Hadassah de 3 meses de idade, todos assassinados enquanto dormiam, numa noite de shabat, em Itamar. Não serão mencionados os judeus (homem e seu bebê) mortos por apedrejamento do carro, quando passavam por uma estrada israelense, em frente aos ‘territórios ocupados por árabes’! Assim como tantas outras histórias, certamente, essa parte da história que torna os muros tão necessários será estrategicamente omitida, porque não é interessante comentar-se; é politicamente incorreta a menção de tais ocorrências… Afinal, são pequenos detalhes… alguns poucos judeus mortos… que diferença fará para o mundo?…
Essa conferência aalega ser oponente a ‘toda forma de violência e racismo’. Entretanto, alguns dos palestrantes, incluindo Sizer, que escreve livros contra os cristãos que apóiam Israel, nos fazem duvidar da real postura da organização. Sizer foi um dos que defendeu a violenta flotilha a Gaza, Mavi Marmara, em 2010, cujos participantes cantavam hinos de morte aos judeus e atacaram, em linchamento, os soldados israelenses, quando o barco foi tomado pela marinha de Israel.
Ben White, jornalista e escritor inglês, autor dos livros ’Israeli Apartheid: A Beginner’s Guide’ (Apartheid Israelense: Um Guia para Principiante’) e ‘palestinians in Israel: Segregation, Discrimination and Democracy’ (‘palestinos em Israel: Segregação, Discriminação e Democracia), será um dos palestrantes deste ano. Esse segundo livro tem seu prefácio escrito pela extremista árabe, membro do parlamento israelense, Haneen Zoabi, que tem contatos pessoais com o hamas e outros grupos terroristas, e participou pessoalmente da flotilha a Gaza, em 2010.
Se as intenções dos organizadores de tal conferência fossem de esperança e reconciliação, estudo dos problemas reais do conflito israelo-árabe, como estão apregoando, por que convidar alguém que expressa desprezo e desdém por Israel e é acolhido pelas vozes mais antagonistas a Israel? Estarão, de fato, imbuídos na reconciliação de árabes e judeus ou sua agenda real é a de deslegitimar Israel?
No site da conferência, há uma conclamação a apoiar a licitação de declaração unilateral de um estado árabe independente sem paz com Israel. Alex Awad, um dos membros do comitê organizador, declara que ‘aqueles que oram pela paz de Jerusalém precisam, ao mesmo tempo, apoiar a imediata criação de um estado árabe’ (http://www.christatthecheckpoint.com).
Entretanto, JESUS declara que Jerusalém será uma cidade ocupada enquanto estiver nas mãos dos gentios: “Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos destes se completem” (Lucas 21.24). A expressão traduzida como ‘pisada’, pode ser traduzida como ‘pisada forte e ruidosa; ‘esmagada, pressionada, comprimida, exterminada’ – não expressa uma situação confortável, pacífica, inofensiva, mas uma posição de controle e anti-natural.
Portanto, a conclamação de Awad é anti-bíblica e opõe-se à declaração de JESUS. Escolha de que lado prefere estar!
Awad ainda declara que os cristãos maculam seu testemunho quando ficam passivos diante das injustiças que sofrem os árabes em Israel. Declara que ‘alguns cristãos hesitam em apoiar a licitação árabe para um estado independente com o receio de que se levante mais um estado islâmico militante. Diz que tal receio é infundado pelo fato de a licitação estar sendo conduzida pelo mais secular, progressivo e não violento braço da organização para a libertação dos árabes que vivem em Israel (OLAqvI)’ (http://www.christatthecheckpoint.com/index.php/blog/64-why-christians-need-support-palestinian-statehood).
A quem ele se referiu ao dizer ser o mais progressivo, secular e não violento braço do OLAqvI? Ao celebrar seu 47º aniversário, o moderador do evento, ao anunciar o mufti da autoridade árabe gritou ao microfone: ‘nossa guerra com os descendentes dos macacos e porcos (i.e., judeus) é uma guerra de religião e fé. Longa vida ao fatah!’. O sheikh, mufti Muhammad Hussein, tomou o microfone e pronunciou a hadith (tradições atribuídas a Maomé), dizendo que: ‘a hora da ressurreição ainda não chegou, até que vocês lutem contra os judeus. Os judeus se esconderão atrás de rochas ou árvores. Então, as rochas ou as árvores convocarão: ‘oh muçulmano, servo de allah, há um judeu atrás de mim, venha e mate-o’. Esse cidadão conclamou, de acordo com a tradição islâmica, todos os muçulmanos a unirem-se para matar todos os judeus’ (http://www.youtube.com/watch?v=kDoV8ZL9Xkc). Líderes ovacionaram tais declarações, enquanto crianças cantavam: ‘oh, minha terra pura, eu te saturarei com meu sangue’, oferecendo-se como mártires para defender a causa de satanás. Misericórdia!
No acampamento de refugiados do Líbano, durante as celebrações dos 47 anos, outra música foi cantada: ‘nossas crianças são nossa glória e nossa honra; eles foram criados para serem adubo (fertilizantes) para a terra dos ‘árabes que vivem em Israel’ e nossa pura terra ficará saturada com seu sangue’ (http://www.israelnationalnews.com/News/News.aspx/152317).
São esses que o pastor Awad quer que o mundo cristão apóie para não denegrir o testemunho cristão pelo mundo! São com esses que Israel tem contado para tentar um acordo de paz. Quanta incoerência… que mundo maluco é esse em que vivemos, em que ‘cristãos’ chamam de santo aquilo que é profano e distorcem a Palavra de DEUS para satisfazer suas ideologias… justamente a Palavra de DEUS que deveria ser o manual pessoal de obediência, conduta e vida?!
Em um sermão (http://www.comeandsee.com/view.php?sid=1181), Awad disse que ‘se JESUS tivesse nascido na Bet Lechem dos dias atuais, teria dificuldade em atravessar de lá para Yerushalaim’. Certamente, como genuíno crente e judeu, ELE não sobreviveria muito tempo ali, por duas básicas razões: porque os árabes não admitem judeus em ‘suas supostas terras’ (e essa foi uma das exigências propostas por abbas, para reiniciar as conversações de paz, que nenhum judeu viva nas terras deles, embora também exija que todos os ‘supostamente’ refugiados árabes vão para as terras de Israel e não as que porventura sejam entregues nos acordos)… Que é isso? Vocês conseguem enxergar as irrealidades, o contra-senso de tudo isso? Isso mais parece ‘surrealismo’); e porque não admitem cristãos genuínos em suas terras!!! Será que os cristãos que restam ali são, de fato, crentes em JESUS?
Há alguns, certamente. Conheço um irmão, precioso pastor e sua família (tive a oportunidade de estar em sua congregação), que permanece em Bet Lechem, apesar das inúmeras ameaças de morte (sobreviveu a pelo menos cinco atentados), e é fiel a CRISTO. Assim como ele, sei que o SENHOR guardou um remanescente para Si, como testemunho fiel da verdade bíblica. Oremos por tal remanescente, para que seja mantido íntegro, irrepreensível em suas crenças, que seja guardado como a menina do olho, testemunho vivo da fidelidade de YAH, em Bet Lechem, Shechem e tantos outros lugares ocupados por árabes muçulmanos radicais, em Nome do SENHOR JESUS CRISTO! Clamemos para que confronte as mentiras que a agenda islâmica nessa conferência tenta enaltecer.
Os sábios judeus têm um comentário muito apropriado sobre o rei Shaul que poupou a Agag, rei amalequita, mas tentou matar a David: ‘aquele que age com misericórdia para com o cruel, ao final se tornará cruel com o compassivo (misericordioso)’. No site dessa conferência, as ‘injustiças’ de Israel são enfatizadas, destacadas e julgadas como algo repugnante e imperdoável, enquanto que as injustiças e crueldades islâmicas são ignoradas e mesmo relevadas sob a égide do ‘amor cristão’, para se evitar a ‘islamofobia’.
Que os crentes no Mashiach YEHOSHUA não se esqueçam de que a agenda do islamismo é: primeiro os do sábado e depois os do domingo.
JESUS alertou: “Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que,se possível fora, enganariam até os escolhidos” (Mateus 24.24). Que o SENHOR livre os cristãos árabes de toda a apostasia, das falsas doutrinas que só sustentam o ódio geracional aos judeus. Que sejam expostos a todo o conselho de DEUS e não somente às partes que lhes interessam e que lhes justificam as atitudes contra Israel. Que recebam a revelação da aliança Abraâmica e, em vez da inveja, sejam tomados pelo amor verdadeiro que o SENHOR nutre por cada filho Seu e por toda a casa de Israel.
E, havendo atravessado a ilha até Pafos, acharam um certo judeu mágico, falso profeta, chamado Bar- Jesus, o qual estava com o procônsul Sérgio Paulo, homem prudente. Este, chamando a si Barnabé e Saulo, procurava muito ouvir a Palavra de DEUS. Mas resistia-lhes Elimas, o encantador (porque assim se interpreta o seu nome), procurando apartar da fé o procônsul… Disse: Ó filho do diabo, cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça, não cessarás de perturbar os retos caminhos do SENHOR? Eis aí, pois, agora contra ti a mão do SENHOR, e ficarás cego, sem ver o sol por algum tempo. E no mesmo instante a escuridão e as trevas caíram sobre ele e, andando à roda, buscava a quem o guiasse pela mão. Então o procônsul, vendo o que havia acontecido, creu, maravilhado da doutrina do SENHOR” (Atos 13.6-8,10-12).

Um falso profeta, supostamente um ‘filho de Jesus’ (Bar-Jesus), era encantador que procurava perturbar os retos caminhos do SENHOR. Que os falsos profetas dessa conferência, que estão perturbando os retos caminhos do SENHOR sejam calados, tenham seus olhos cegados para não atingir a crentes genuínos no MESSIAS de Israel.

Clamemos por essa conferência, para que sua agenda escusa venha à tona, seja desmascarada e o inimigo de nossas almas envergonhado, em Nome do SENHOR JESUS. Clamemos para que se levantem vozes, testemunhos fiéis de YEHOSHUA HaMASHIACH, para expor as mentiras propostas e aquelas que forem declaradas durante a conferência, para expor toda a falsa doutrina e falsa teologia, para que o Nome do SENHOR seja glorificado – “Não tenham nada em comum com os atos produzidos pelas trevas; antes, exponham-nos” (Efésios 5.11)
Que os falsos cristãos tenham seus olhos abertos e seu entendimento desobstruído para que vejam a YEHOSHUA e ao Seu coração e tenham um encontro de salvação com o Único e Verdadeiro MESSIAS de Israel e do mundo.
Que os cristãos árabes tenham a coragem de permanecer contra o islamismo e não se deixem embotar pela agenda anti-Israel e anti-sionista do islamismo, mesmo durante essa conferência.
Que durante essa conferência, um milagre aconteça: todos os árabes e anti-sionistas cristãos recebam a revelação do Alto dos mistérios de Israel e entendam que são herdeiros com Israel e co-herdeiros com CRISTO das bênçãos paternas. Que esse entendimento gere a verdadeira reconciliação, o verdadeiro amor, a verdadeira paz. Que entendam e aceitem o fundamental fato de que o restabelecimento de Israel e do povo judeu é o cumprimento profético da Palavra de YAH, DEUS completa e absolutamente fiel: “Para que, segundo as riquezas da Sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo Seu Espírito no homem interior; para que CRISTO habite pela fé nos vossos corações; a fim de, estando arraigados e fundados em amor, poderdes perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, e conhecer o amor de CRISTO, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de DEUS” (Efésios 3.16-19).

Clamemos para que o SENHOR não permita, que impeça ou atrapalhe toda a promoção da teologia da substituição na conferência. Que os organizadores fiquem todos confusos porque seus planos foram frustrados e os de YAH prevaleceram. Seja como  quando Balaque ‘alugou’ os serviços de Balaão para amaldiçoar o povo de Israel e ele não pôde fazê-lo, senão abençoá-lo e por três vezes, pela intervenção divina!

Que os conferencistas se lembram das palavras do famoso rabino Shaul e venha o termor do SENHOR antes de levantar a mão contra os escolhidos de YAH: “E se alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo zambujeiro, foste enxertado em lugar deles, e feito participante da raiz e da seiva da oliveira, não te glories contra os ramos; e, se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a Raiz, mas a Raiz a ti. Dirás, pois: Os ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado. Está bem; pela sua incredulidade foram quebrados, e tu estás em pé pela fé. Então não te ensoberbeças, mas teme. Porque, se DEUS não poupou os ramos naturais, teme que não te poupe a ti também” (Romanos 11.17-21). Como David que, diante da oportunidade de matar a Shaul (por duas vezes), o homem que era a ‘causa’ aparente de seu infortúnio, de sua perseguição, de sua opressão, mas também um ungido de ELOHIM, temeu a YAH e o poupou, o mesmo temor caia sobre todos os árabes cristãos e todos os congressistas, em Nome do SENHOR JESUS.

Utilizando textos bíblicos em Ezequiel 36-37Jeremias 31-33Zacarias 12Joel 3Romanos 9-11,clamemos:
- pela restauração física de Israel, no referente ao retorno dos judeus que ainda vivem no cativeiro das nações para seu lar nacional;

- pela restauração espiritual de Israel, com o derramar do Espírito de graça e súplicas, do Espírito Santo que convence do pecado, da justiça e do juízo e revela CRISTO aos corações; pela restauração da Presença de YHVH no meio de Israel;

- pelo Corpo do Messias em Israel e no mundo, cujo futuro está intrinsecamente conectado ao destino de Israel, para que se volte para JESUS, o Autor e Consumador da fé, se volte para a Palavra pura de YHVH, e para a ação verdadeira do Espírito Santo. Que tenha sede e fome pela Presença viva, pela Pessoa do SENHOR JESUS; que tenha espírito alerta e aguçado para discernir os espíritos, as falsas doutrinas; que seja um Corpo que se levante para rejeitar tudo aquilo que se levanta contra DEUS, incluindo a teologia da substituição e a teologia da libertação dos árabes.

Eis que EU farei de Jerusalém um copo de tremor para todos os povos em redor, e também para Judá,durante o cerco contra Jerusalém. E acontecerá naquele dia que farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que a carregarem certamente serão despedaçados; e ajuntar-se-ão contra ela todo o povo da Terra” (Zacarias 12.2,3)

Para incitar mais o ódio árabe a Israel, no domingo 26, em Doha, Qatar, deu-se início à Conferência Internacional para a Defesa de Jerusalém. Obviamente, nenhum judeu foi convidado, mas muçulmanos, árabes e cristãos estão reunidos para conluiar contra Jerusalém e a posição israelense de declarar Jerusalém a eterna capital única e indivisível do seu Estado! As temáticas desenvolvidas são ‘o status legal de Jerusalém antes e depois da ‘ocupação’ israelense, a realidade e o futuro de Jerusalém sob ‘ocupação’, e o status dos lugares sagrados sob a lei internacional’, enquanto a mídia islâmica acusa Israel de tentar ‘judaizar’ a cidade, principalmente o lado oriental e o monte do templo (supostamente capital da autoridade árabe que vive em Israel)…

Que tremendo! Que incrível! Que fantástico! Como se judaíza algo que é judaico? Só as provas arqueológicas que foram encontradas no lixo das obras feitas na esplanada do templo, em secreto, pelos muçulmanos, para tentar apagar as evidências de templos judaicos e, portanto, mais de 1700 anos antes da presença islâmica na terra,são numerosas. Ao caminhar pelas ruas da cidade murada (HáIr HaAtiqah – cidade velha), caminhamos sobre museu aberto, caminhamos sobre o passado judaico, com cada canto revelando a história de Israel.

O lugar que os árabes-muçulmanos reivindicam para si é o lugar em que o maior e totalmente efetivo altar de toda a história humana foi erigido, pois YEHOSHUA, o MESSIAS de Israel e Mélech haYehudim (REI dos judeus) nele foi ofertado, bem ali no Monte Moriah (o monte YAH ensina; YAH é Mestre), onde YHVH Yr’eh (O SENHOR que tudo vê) providenciou o ‘cordeiro substituo’ no lugar de Itschaq (e não Ishmael). Naquele mesmo lugar, o Rei David viu o Anjo do SENHOR com Sua espada de juízo desembainhada, e entendeu que Aquele Anjo era a Glória do PAI. Adquiriu para Israel aquele monte (a eira de Araúna) por preço e a entregou para ali edificar o 1º templo, dedicado a YHVH e que ELE mesmo escolheu para pôr Seu Nome, ali habitar e fazê-lO lembrado!

Fantástico, porque o interessado maior sequer participa do evento! Que petulância! Que ousadia! Quanta jactância: “Os reis da Terra se levantam e os governos consultam juntamente contra o SENHOR e contra o Seu Ungido, dizendo: ‘Rompamos as Suas ataduras, e sacudamos de nós as Suas cordas” (Salmo 2.2,3). Como ousam os líderes das nações discutir o futuro daquela que é a ‘herança do Todo Poderoso, Criador dos céus e da Terra’?

Infelizmente, cristãos apóstatas estão participando dessa conferência. O mesmo sr. Sizer foi convidado para falar sobre ‘Jerusalém: A Cidade de DEUS na tradição cristã’, aplicando Escrituras para refutar a idéia de que Jerusalém foi dada aos filhos de Israel por herança eterna.
Que o SENHOR os desperte para que tenham consciência de sua insensatez, desgraça, pobreza, cegueira, miserabilidade e nudez e se arrependam e comprem o ouro provado no fogo, as vestes brancas para remover a vergonha de sua nudez, o colírio para terem seus olhos abertos e vejam as misericórdias do Altíssimo, tudo para que não sejam vomitados da Presença santa de YHVH (Apocalipse 3.14-22), porque ai daqueles que se levantarem contra a ‘menina do olho do SENHOR’.

Na abertura do evento, abbas acusou Israel de tentar apagar e remover as evidências do caráter árabe-islâmico e cristão de Jerusalém oriental, exatamente aquilo que os árabes têm feito, de fato e de realidade, contra Israel, tentando apagar e banir toda evidência dos mais de 3000 anos da presença judaica em Jerusalém. Também líderes da ONU, da liga árabe e o clero egípcio yusuf al-qaradawi, que defende o subjugo de toda a Terra para o islã e a aniquilação dos judeus, estão presentes no evento. Ainda convocou os muçulmanos a marcharem sobre Jerusalém, pois, segundo ele, ela pertence a todos nós e ninguém pode impedir-nos de acessá-la’.

Nentanyahu repreendeu abbas por suas falsas e instigantes declarações, que destilam o veneno do ódio e da revolta contra os ‘opressores colonialistas israelenses’. O 1º ministro de Israel disse que ‘é tempo de abbas parar de renegar o passado e distorcer a realidade… abu mazen (abbas) sabe muito bem que não há fundamento para as observações desprezíveis e vis, inclusive suas reivindicações infundadas e irresponsáveis referentes à mesquita de al-aqsa. O Estado de Israel espera que o supostamente defende a paz deveria preparar seu povo para a paz e a coexistência, em vez de disseminar mentiras e incitamento’

Aquele que habita nos céus se rirá; o SENHOR zombará deles. Então lhes falará na Sua ira, e no Seu furor os turbará. EU, porém, ungi o Meu REI sobre o Meu Santo monte de Tsion. TU os esmigalharás com uma vara de ferro; TU os despedaçarás como a um vaso de oleiro. Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos instruir, juízes da Terra. Servi ao SENHOR com temor, e alegrai-vos com tremorBeijai o Filho, para que Se não ire, e pereçais no caminho, quando em breve se acender a Sua irabem-aventurados todos aqueles que nELE confiam” (Salmo 2.4-6,9-12) – que os líderes muçulmanos sejam despertos e entendam que estão provocando a ira de DEUS e não de Israel. Sejam os inimigos de YAH envergonhados e humilhados para que temam ao Único e Verdadeiro SENHOR.

Amados, minha oração é que encontremos graça diante do SENHOR e ELE incline Seus ouvidos para nós, e ouça nossa súplica segundo a grandeza da Sua misericórdia, segundo a verdade da Sua salvação, e estenda Seu cetro de autoridade, dizendo-nos: ‘Qual é a tua petição? E ser-te-á concedida, e qual é o teu desejo? E se fará…’ E certamente saberemos pedir com a Sua sabedoria, aquilo que encontramos em Seu coração.

Y’varech’chah YHVH v’ishmerecha (Que YHVH lhe abençoe e lhe guarde). Ya’er YHVH panav eleicha vichunecha (Que YHVH faça Sua face brilhar sobre você e mostre-lhe Seu favor). Yissah YHVH panav eleicha v’yassem l’cha shalom (QueYHVH levante Sua face em sua direção e lhe dê a paz)” (Números 6. 24-26). ‘Desse modo deve o Nome de YAH ser colocado sobre os filhos de Israel para que ELE os abençoe’ (v.27) – desse modo seja depositado o Nome de YAH sobre suas preciosas vidas para que ELE os abençoe e Seu Nome seja santificado, exaltado, glorificado e engrandecido no meio de Seu povo.

Chag Purim sameach,

no amor do MESSIAS de Israel, YEHOSHUA,

marciah malkah

Bibliografia para a matéria – Conferência ‘Christ at the Checkpoint’

1. Palestinian Liberation Theology, Shelley Neese, April 20, 2007, FrontPageMagazine.com

2. A Call to Special Prayer, March 5-9, Ofer Amitai, The Israel Prayer Center, Jerusalem, Feb 26, 2012
3. Prayer Alert 12-03, Feb 24, 2012 / Adar 1, 5772, Lars and Harriet Enarson, The Elijah Prayer Army
4. So Jesus Lived in Occupied Territory?, Jan Markell, Olive Tree Ministries, Bible Prophecy Blog, Feb 15, 2012

5. Joint statement on “Christ at the Checkpoint”, Paul Liberman et al, membros das entidades judaico messiânicas Union of Messianic Jewish Congregations (UMJC) e Messianic Jewish Alliance of America (MJAA), Feb 2012

Jessica Mendonça (159 Posts)


Copyright © 2010 Igreja Batista Jesus é a Vida.

Produzido por tendaestudio