Ore pela paz de Jerusalém – 01 a 15.06.2011

  1. 1. Só o SENHOR é DEUS:

Grandioso és, ó YHVH ELOHIM, porque não há semelhante a Ti, e não há outro DEUS senão TU só, segundo tudo o que temos ouvido com os nossos ouvidos. E quem há como o Teu povo, como Israel, gente única na Terra, a quem ELOHIM foi resgatar para Seu povo, para fazer-Te Nome, e para fazer-vos estas grandes e terríveis coisas à Tua terra, diante do Teu povo, que TU resgataste do Egito, desterrando as nações e a seus deuses?  E confirmaste a Teu povo Israel por Teu povo para sempre, e TU, SENHOR, Te fizeste o seu DEUS. E engrandeça-se o Teu Nome para sempre, para que se diga: YHVH Tsevaot ELOHIM al-Israel, e a casa de Teu servo será confirmada diante de Ti” (2 Shmuel 7: 22-24,26).

YHVH, ninguém há como TU, e não há DEUS fora de Ti, segundo tudo quanto ouvimos com os nossos ouvidos. E quem há como o Teu povo Israel, única gente na Terra, a quem ELOHIM foi resgatar para Seu povo, fazendo-Te Nome com coisas grandes e temerosas, lançando as nações de diante do Teu povo, que resgataste do Egito? E confirmaste o Teu povo Israel para ser Teu povo para sempre; e TU, SENHOR, lhe foste por DEUS. Confirme-se e engrandeça-se o Teu Nome para sempre, e diga-se: YHVH Tsevaot, ELOHEI Israel, ELOHEI L’Isarael; e permaneça firme diante de Ti a casa de David, Teu servo. Agora, pois, foste servido abençoar a casa de Teu servo, para que permaneça para sempre diante de Ti: porque TU, YHVH, a abençoaste, e ficará abençoada para sempre” (1 Crônicas 17. 20-22,24,27).

E dizei: Salva-nos, ó DEUS da nossa salvação (Hoshiyenu, ELOHEI yish’enu), e ajunta-nos, e livra-nos das nações (v’qabtsenu v’hatsiylenu min-hagoyim), para que louvemos o Teu Santo Nome, e nos gloriemos no Teu louvor. Bendito seja YHVH ELOHEI Israel, de eternidade a eternidade. E todo o povo disse: Amém! E louvou a YHVH” (1 Crônicas 17. 35,36)

ADONAI, ouve; ADONAI, perdoa; ADONAI, atende-nos e age sem tardar; por amor de Ti mesmo, ELOHAI; porque a Tua cidade e o Teu povo são chamados pelo Teu Nome” (Daniel 9. 19).

Aprouve ao SENHOR, Criador do Universo, DEUS Único e Verdadeiro, o Todo Poderoso e Soberano SENHOR,  escolher um povo para Si, único em toda a Terra, a quem ELE mesmo foi resgatar e está resgatando do meio das nações, a quem escolheu para ser Seu povo e dar Seu Nome, sobre quem decidiu ser DEUS e a partir de quem decidiu engrandecer Seu Santo e bendito Nome. Essa é a prerrogativa do Criador do Universo.

Ao Corpo do MASHIACH entre as nações da Terra cabe gerar tais verdades, para que este povo a quem YHVH escolheu para fazer Seu Nome grande, de fato, cumpra seu chamado profético. Permitamos ao SENHOR gerar essa verdade em nossos ventres, engravidar-nos dessa visão dELE  mesmo para o mundo, para que Seu Nome seja exaltado, glorificado e santificado em Israel e no meio das nações da Terra.

  1. Dia 15.05, de acordo com o calendário ocidental, foi o dia seguinte à declaração de independência do Estado de Israel (14.05.1948), há 63 anos. Também foi o dia em que, há 63 anos, cinco nações (Egito, Transjordânia, Líbano, Síria e Iraque) atacaram o recém-nascido Estado judaico, com o propósito de destruir os judeus, empurrando-os ao e afogando-os no Mar Mediterrâneo… Esse dia é chamado, pelos árabes, de nakhba, desastre ou catástrofe, porque foi um dia catastrófico para eles, quando o Estado judaico passou a ‘re-existir’. Dia glorioso para o povo de YHVH, no entanto!!!

Neste ano de 2011, de acordo com uma campanha iniciada no facebook, há alguns meses, muçulmanos de todas as partes foram convocados a invadir as fronteiras israelenses para ‘tomada de posse dos territórios que, segundo eles, foram roubados dos árabes israelenses pelos sionistas judeus’. E assim foi: Israel foi invadida. Milhares de árabes tentaram entrar no país desde Líbano, Sìria, Gaza, Judéia e Samaria. Sua intenção declarada era de retornar às terras das quais eles foram expulsos em 1948, reconquistando território pelo início da 3ª intifada, ou seja, com o emprego de violência…

De acordo com a lei muçulmana, um território, uma vez possuído pelo islamismo, para sempre é território muçulmano e deve ser reconquistado, a qualquer preço. Israel está na lista de territórios a serem reconquistados… Sabemos que a questão é espiritual e que o inimigo não aceita a existência de Israel e do povo judeu, porque essa é a prova cabal da existência de YHVH!

Não presenciamos tais cenas, ainda que em Jerusalém, onde estávamos, houvesse algumas manifestações (brandas). Mas, assistir ao jornal local chocou-me, com uma sensação muito estranha, de invasão de privacidade. O ladrão veio para roubar, matar e destruir…

Louvo ao SENHOR que impediu coisa pior, porque os soldados israelenses não estavam preparados para lidar com uma multidão sem armas (ainda que com pedras, muita ira, com o desejo de destruição e morte, quebrando as cercas…). É claro que os governos vizinhos não impediram, mas apoiaram o avanço, para causar confusão.

Majdal Shams, a cidade fronteiriça com Síria, foi ocupada pelos invasores. Mas, os druzos (pró-Israel) que ali vivem, pediram aos manifestantes que retornassem ao seu país… e a ordem foi restaurada.

Foi a primeira vez que tal ato aconteceu… Tudo em nome da revolução no oriente médio que busca a igualdade de direitos, mas só está levantando líderes mais radicais que seus antecessores, fortalecendo o islamismo. A mesma revolução que ocorreu, há 33 anos no Irã, que culminou com o governo teocrático despótico dos aiatolás, está acontecendo nos países ao redor de Israel.

Amados, uma turba irada causa muita destruição… e vidas de civis, naquelas fronteiras, estão suscetíveis a todo o tipo de ataque. Já estive naquelas fronteiras e as palavras do salmista ganham forma, cor, tamanho, uma realidade totalmente palpável: “se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela” (Salmo 127. 1).

Clamemos pelas FDI, por sua liderança, por sabedoria e criatividade santas em lidar com essas e outras situações inusitadas às quais estão sujeitos. Há necessidade de muita, muitíssima sabedoria, inteligência, discernimento, despertamento vindos do Alto – que recebam dELE  toda orientação de como pelejar contra os inimigos de YAH, assim como o rei David esperava no SENHOR pelas estratégias eficientes. Que os líderes tenham um coração ensinável, temente e obediente ao Comandante em Chefe das Forças de Defesa Israelenses – YEHOSHUA HaMASHIACH. Que se dobrem, como dobrou-se Yehoshua (Josué) diante do Príncipe dos Exércitos de YHVH.

Que os espias em Israel tenham olhos de águia para ver além do que os olhos naturais podem revelar. Que sejam como o profeta Elisha, que conhecia os planos que o rei sírio proferia em sua cama (2 Reis 6. 12),  com sabedoria de como lidar com as informações recebidas. Haja unção especial sobre toda a Casa de Israel – dos filhos de Issachar, que entendiam os tempos e as estações e sabiam como comportar-se em cada situação.

Todos os planos da nova flotilha em organização sejam plenamente frustrados e cancelados, em Nome de JESUS. Que não cheguem recursos financeiros nem humanos para a concretização de tais planos. O SENHOR, Aquele que controla todas as coisas, crie marés impróprias para que o inimigo navegue naquelas águas, em Nome de JESUS. Que a marinha israelense esteja preparada para lidar com todas as situações e ameaças marítimas.

Clamemos para que todas as fronteiras de Israel sejam guardadas pelos anjos do SENHOR, que não permitam que nada e ninguém que tem a intenção maligna de destruir uma vida sequer consiga passar por SHOMER Israel, o Guarda de Israel, e Seus exércitos. Uma vida, em Israel, tem um significado enorme – assim como tem para o SENHOR, o REI dos reis e SENHOR dos senhores, que deseja ‘que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da Verdade’ (1Timóteo 2. 4), para que sejam livres em YEHOSHUA, o Caminho que salva, a Verdade que liberta, e a Vida que conduz ao PAI.

Clamemos pela salvação daqueles que têm sido alimentados com ódio, desprezo pela vida, zombaria pelo primo judeu – clamemos para que o SENHOR Se deixe encontrar pelos jovens nas sociedades islâmicas do Oriente Médio – que se levantem vidas preciosas que têm um coração ensinável e quebrantado para ver o Salvador de Israel, o Verdadeiro MESSIAS.

  1. As nações árabes estão em convulsão, como se uma grande colher estivesse mexendo o caldeirão para agitar as coisas e mudar, completamente o cenário da frágil estabilidade apresentada até o momento. Nunca houve uma revolução encabeçada pela população desejosa de mudanças e igualdade social na comunidade árabe…

Aparentemente, tudo começou no Líbano, com o governo de coalizão nacional que Hariri filho estabeleceu para poder governar o país. Nessa coalisão, membros do grupo terrorista hisb’allah faziam parte, pois já haviam assumido o sul do país. Em razão das investigações, pela ONU, do assassinato de seu pai (Rafik Hariri) e as fortes indicações de que membros do hisb’allah estariam envolvidos nesse assassinato (comandado pela Sìria a mando do Irã), todos os parlamentares demitiram-se, gerando a queda de Hariri filho. Tudo isso aconteceu em janeiro deste ano… hisb’allah assumiu o controle do país (e a mídia calou-se para esse fato).

Essa onda libanesa contagiou a Tunísia, que possui classe média grande. E as pessoas foram às ruas, não importando se seriam mortas ou não… Finalmente, Bin Ali, por décadas presidente da Tunísia, fugiu para a Arábia Saudita.

Algéria e Marrocos foram os próximos, sem muita repercussão na mídia. Então, chegou a vez do Egito e de balançar o governo de Hosni Mubarak, que governara o país por 40 anos. Uma das razões para o levante contra o seu governo foi o fato de ele ter guardado o tratado de paz com Israel (recordem-se que Anwar El-Sadat, o presidente egípcio que assinou o tratado de paz com Israel em 1979, foi assassinado em1981. A população egípcia nunca apoiou tal tratado). O que se levantou, hoje, no Egito é mais uma ditadura militar e o fortalecimento do ‘banido’ grupo islâmico ‘irmandade muçulmana’, de quem o grupo hamas é ‘filho’.

Na sábado passado, o governo interino egípcio abriu a fronteira Rafiah (fechada em 2007 por Mubarak, após a vitória do hamas nas eleições de Gaza), como sinal de amizade entre egípcios e árabes israelenses de Gaza… Além disso, esse mesmo governo interino foi mediador da reconciliação entre hamas (de Gaza) e fatah (de Mahmoud Abbas), que foram assinados no Egito entre Haniyeh e Abbas, há duas semanas… Isso significa que o Egito está mediando a unificação dos dois partidos terroristas que ocupam Gaza, Judéia e Samaria, para as próximas eleições em setembro. A agenda clara do hamas sempre foi a de destruição dos judeus e nunca aceitação de um Estado judaico em Israel (isto está escrito em sua constituição). Ainda que seja essa a posição do fatah, ela não é declarada, mas camuflada; tanto é que o ocidente considera Abbas e o fatah um grupo moderado… Diante da assinatura de tais acordos e alianças, como Israel pode manter conversações de paz e permitir o estabelecimento de um estado árabe (totalmente ilegal, de acordo com a Constituição do REINO, de acordo com a Palavra de YHVH, de acordo com o Dono daquelas terras), cujo governo reconcilia-se e unifica-se ao inimigo que professa, como obra principal, a destruição de Israel? O 1º Ministro de Israel, Bin’yamin Netanyahu, declarou que será impossível prosseguir com qualquer conversação de paz com os árabes que vivem em Israel…

A convulsão islâmica do Egito passou à Líbia, Yêmen, Bahrain, Jordânia e, finalmente à Sìria, nesta, tão intensamente quanto em Tunísia, Egito e Líbia, com a morte e prisão de muitos manifestantes civis. O cenário está mudando e, ao contrário do que a mídia internacional divulga, essas nações não caminham para a liberdade democrática, mas para o fundamentalismo islâmico.

De todos esses locais, a irmandade muçulmana havia sido banida pelos governos vigentes, porque seu discurso soa muito democrático e livre, mas suas ações são anti-liberdade, onde todos têm que ‘                rezar por sua cartilha’, objetivando destruir a ‘democaria’ com a própria democracia.

Israel está cercada por tais nações islâmicas, que não aceitam a existência de um ponto, nesse enorme oceano, que seja diferente e tão ameaçador – até parece que é indestrutível!!! E quero dizer que, sim, Israel é indestrutível, porque YHVH é seu GUARDA e não permitirá que Sua herança seja eliminada do mapa, porque foi ELE mesmo que definiu seus contornos e a estabeleceu como centro das nações (Ezequiel 5. 5; Deuteronômio 32. 8,9; Atos 17. 26,27a; Salmo 74. 17a).

Em razão disso, há que se orar muitíssimo pelo Chefe do Estado Maior das FDI, por sabedoria sobre toda a liderança das FDI, a fim de lidarem com todo esse novo contexto. Clamemos por estratégias celestiais sobre as FDI e os líderes políticos, para que vidas e multidões de vidas sejam poupadas. Temos orado para que os Exércitos celestiais, com miríades e miríades de anjos, posicionem-se ombro a ombro, em todas as fronteiras, guardando toda a Casa de Israel.

Que seja derramado sobre a liderança em Israel um espírito excelente, perspicaz, para entender as artimanhas inimigas e saber como contrapor-se a elas. Que Netanyahu não faça concessões, não utilize-se de manobras de apaziguamento para subjugar-se às exigências árabes e das nações, em Nome de JESUS.

Clamemos pelas comunidades árabes e muçulmanas, submetidas à escravidão de satanás – clamemos por sua libertação. Clamemos para que percebam sua condição de escravidão e cativeiro satânico e comecem a clamar por libertação. Como fez o povo de Israel, que começaram a clamar a DEUS contra seus opressores… e o SENHOR os ouviu e lhes enviou um libertador.

Estivemos no Egito, no começo desse mês, com o comando do SENHOR de profetizar o cumprimento de Isaías 19. Sabemos que dias difíceis para o Egito estão para chegar (leia vv. 1-15). Estivemos lá para profetizar as palavras do Espírito de YHVH nos versículos 17 a 25. Sabemos que as orações que ali foram feitas e o clamor levantado pelo santos por despertamento e salvação daquele povo estão diante do SENHOR e ELE os ouvirá e lhes enviará o SALVADOR! Que venha o despertamento de toda a comunidade islâmica no O.M. – sem JESUS, todos serão destruídos (e é isso que satanás deseja). Clamemos por sua salvação e pelo reconhecimento de que YEHOSHUA, o MASHIACH de Israel, é o Verdadeiro e Único SENHOR e o MESSIAS esperado!

Clamemos para que a fronteira Rafiah seja novamente fechada, por entender a má influência do hamas e do al-qaeda ao Egito, nesse momento de reestruturação política. O SENHOR guarde essas fronteiras de toda entrada de armas e munições.

  1. Líderes do fatah estão buscando apoio principalmente junto às nações européias para uma declaração unilateral de estabelecimento de estado árabe em terras de Israel, para setembro, durante a reunião anual da ONU. Dizem que têm o reconhecimento de 130 a 180 nações, o que corresponde à metade dos membros da ONU.

Ainda que EUA tenham sido taxativos em discordar de uma declaração unilateral e terem poder de veto, com obama, nunca se sabe! Na 5ª feira da semana retrasada, em seu discurso no Congresso, anterior ao de Netanyahu, ‘exigiu’ que Israel se conforme à exigência árabe e retorne às linhas anteriores à Guerra dos Seis Dias, de 1967 (o que seria o suicídio para Israel, em razão de fronteiras indefensáveis e com um grupo árabe muito mais armado e mais organizado do que foram as nações árabes que atacaram Israel em anos anteriores), disposto que está de ser ‘o cara’.

Louvado seja o SENHOR que usou a boca de Netanyahu para dar a resposta ao líder norte-americano e, ao mesmo tempo, arrancar aplausos (59 vezes) e ovações (29 vezes), enquanto discursava no mesmo lugar que obama, na 3ª feria, 24.05, para a mesma assistência (senadores e deputados federais norte-americanos). Em manifestação não dantes vista, de apoio fervoroso ao Estado de Israel, contrariando a postura ‘obamística’ de adoção de política pró-árabe, fez com que o ocupante da ‘sala oval’, na Casa Branca, alterasse seu discurso, dias depois, dizendo que ‘sua declaração não deveria ser levada ‘ipsis líteris’ (ao pé da letra, na referência às fronteiras de 1967).

Netanyahu, em seu discurso, foi taxativo quanto a ser impossível o regresso às fronteiras prévias a 1967, porque o cenário geográfico havia mudado, mas que estava disposto a ‘fazer generosas e dolorosas concessões territoriais’. Generosas, porque entende que o povo árabe precisa e deseja ter uma nação independente e com espaço (reiterou ser um dos líderes que reconhece a necessidade de um país árabe independente). Dolorosas, porque terá que abrir mão de terras históricas de Israel, de seus antepassados, como Judéia e Samaria.

Ao mesmo tempo, declarou que Jerusalém, somente sob controle israelense, restabeleceu a liberdade religiosa das três principais religiões e que não seria possível dividi-la, mas que continuaria a ser a capital indivisível do Estado judaico de Israel.

Em todas as declarações ‘bombásticas’, aplausos e ovações foram arrancados da audiência – o que, de fato, foi surpreendente… como se fosse a liberação de um grito contido há muito, em razão da política anti-israelense adotada pelo líder obama. O discurso de Netanyahu foi abençoado, porque denunciou as mentiras e falsas crenças e, ao mesmo tempo, colocou a discussão em sua verdadeira perspectiva: é impossível fazer paz com quem tem aliança com aqueles que promulgam a destruição de Israel; é impossível apertar a mão de cobras sem que sejam mortalmente feridos; é impossível defender o povo e fronteiras que não permitam um mínimo de segurança nos espaços aéreo, terrestre e marítimo.

Louvado seja o SENHOR, porque ELE fez Netanyahu encontrar graça diante dos parlamentares norte-americanos, cujos ouvidos foram abertos para ouvir a verdade de que Judéia e Samaria não são territórios ocupados por judeus, mas por árabes que ali vivem, que aquelas terras são, por direito de herança, dos judeus. Louvado seja o SENHOR pela coragem, ousadia, clareza, objetividade e unção com que Netanyahu declarou seu discurso, confrontando os poderes das nações com tais declarações. Louvado seja o SENHOR pelo apoio da maioria dos judeus diante de tais palavras declaradas por seu líder. Louvado seja o SENHOR, porque usou Netanyahu para desmascarar mentiras que têm sido tomadas como verdades.

Entretanto, amados, olhando alguns aspectos desse discurso, meu coração entristeceu-se – ainda que um discurso desafiador, clarificador, que trouxe orgulho ao povo judeu, alguns aspectos estão longe dos propósitos de YHVH:

- aquelas terras pertencem a YHVH, são Sua herança no meio da Terra; e ELE as deu aos filhos de Avraham, Itschaq, Yaacov e a seus descendentes (não para dá-las a quem quisessem, mas para guardá-las, cultivá-las, como a ordem recebida no Jardim do Éden). Reconhecer um estado árabe naquelas terras implica na entrega de terras que serão consagradas a deuses estranhos (allah – satanás). E isso é afrontoso, porque a terra tem DONO;

- assim como outros líderes, ele não tem o respaldo do Alto para fazer concessão territorial a quem quer que seja, porque a terra pertence a YHVH. Como outros líderes, ele pode ser o próximo a cair na teia da arrogância e exaltação política;

- esse não é, nem de longe, o plano de paz que o SENHOR estabeleceu para aquela região. Seu plano de paz, repito, está expresso nos seguintes versos abaixo. Assim como os muçulmanos esperam submissão às suas leis e estilo de vida (e satanás imita tudo), esse é o propósito do DEUS Altíssimo, ELOHEI Israel. Estrangeiros são bem-vindos (Ezequiel 47. 22,23), desde que obedeçam às leis e estatutos da terra, que têm tudo a ver com a Constituição do Reino de YAH e não com a ‘sharia de maomé’:

Assim diz o SENHOR, acerca de todos os Meus maus vizinhos, que tocam a Minha herança, que fiz herdar ao Meu povo Israel: Eis que os arrancarei da sua terra, e a casa de Judá arrancarei do meio deles. E será que, depois de os haver arrancado, tornarei, e Me compadecerei deles, e os farei voltar cada um à sua herança, e cada um à sua terra. E será que, se diligentemente aprenderem os caminhos do Meu povo, jurando pelo Meu Nome: Vive o SENHOR, como ensinaram o Meu povo a jurar por Baal; então edificar-se-ão no meio do Meu povo. Mas se não quiserem ouvir, totalmente arrancarei a tal nação, e a farei perecer, diz o SENHOR” (Jeremias 12.  14-17).

Netanyahu disse que está na hora do presidente Abbas declarar cinco palavras que mudarão a história do Oriente Médio: ‘eu aceitarei um Estado judaico’, porque ele mesmo já havia declarado diante de seu povo: ‘eu aceito um estado árabe’.

Creio que não serão essas as palavras que mudarão o contexto naquela região e no mundo. Mas, oremos para que outras palavras sejam pronunciadas por árabes/muçulmanos e judeus: ‘EU ACEITO E ME CURVO AO PLANO DE PAZ DE YHVH PARA O ORIENTE MÉDIO – YEHOSHUA HaMASHIACH’.

Clamemos pela estabilidade e centralidade de Netanyahu, para que as recentes aprovações não lhe subam o ego e perca o foco de sua liderança – a segurança de seu povo, a permanência de Israel (Zacarias 12. 5,6). Que haja humildade e reconhecimento de que não pode encontrar o favor dos seus inimigos, não fora a boa mão do SENHOR sobre ele (Provérbios 16. 7).

Certamente, para tempos como esses ele foi levantado e tem sido sustentado pelas orações dos santos. Clamemos para que não se comprometa em acordos que o distanciem dos propósitos divinos – que o SENHOR lhe coloque um prumo, para que não se desvie nem para a direita nem para a esquerda (Ezequiel 14. 11; Hebreus 12. 13). Que não cometa os mesmos erros do passado, durante sua 1ª gestão. Que ele seja cercado por conselheiros cheios do fogo de YHVH, para cumprir Seus eternos propósitos nestes dias. Sabedoria, discernimento espiritual, conselhos divinos, espírito quebrantado, temente e obediente ao SENHOR, DEUS de Israel – seja isso sobre Netanyahu, em Nome de YEHOSHUA HaMASHIACH.

Que o SENHOR continue a derramar sobre Netanyahu Sua graça para alertar as nações do perigo iraniano e islâmico. Que a capacidade de tomar decisões corretas, que glorifiquem o Nome de YHVH, seja uma marca em Netanyahu, em Nome de YEHOSHUA HaMASHIACH. Que o SENHOR guarde seu espírito, sua alma e seu corpo, bem como toda sua casa, em integridade.

Que obama seja enfraquecido em seus propósitos escusos contrários à vontade de YAH e aquilo que intenta maquinar contra Israel, redunde em bênção para aquela nação, porque o SENHOR disse em Sua Palavra que ‘aquele a quem ELE abençoou, ninguém poderá amaldiçoar’ (Números 23. 8-10; 24. 10) e ‘que não vale encantamento contra os escolhidos de YHVH’ (Números 23. 23).

Que o SENHOR levante líderes tementes e obedientes a ELE em todos os segmentos da sociedade, nas nações da Terra, para que sejam luz em meio às trevas políticas e possam conduzir suas nações à Verdade da Palavra – que se levantem para apoiar Israel.

Que o Corpo do MESSIAS em cada nação, incluindo nas nações árabes, se levante para declarar a Verdade que está no coração do PAI e batalhar por aquilo que está em Seu coração. Eu tenho a absoluta certeza de que uma das coisas que arde no coração do PAI é Israel e todo o Seu plano de redenção para Seu povo e Sua nação. Que a Corpo do MESSIAS se alinhe a esse propósito, em Nome de JESUS.

Que o SENHOR abençoe abundantemente e guarde todos os árabes que entenderão a aliança de YAH com Avraham e seus descendentes em Yaacov e apóiam Israel. Sejam levantados como luzeiro em suas nações e despertadores de um avivamento sem precedentes no meio do povo muçulmano (porque eu sei que o SENHOR tem muito povo entre os cativos do islamismo – clamemos por seu despertamento, em Nome de JESUS de Nazaré).

Que o apoio que Abbas está buscando fracasse, em Nome do SENHOR JESUS. Que as nações não se levantem para promulgar o estabelecimento de um estado árabe em terras de YAHVEH! Que haja confusão, divisão e destruição no arraial do inimigo, para que não haja consenso no estabelecimento de um estado árabe em terras de Israel.

Que o Corpo do MESSIAS nas nações se levante para declarar seu apoio incondicional a Israel e às suas fronteiras a serem ampliadas, em Nome de JESUS.

David Ben Gurion, o primeiro 1º Ministro de Israel, usava chamar as ‘Nações Unidas’ de os ‘Nadas Unidos’ e dizia que ‘não importa o que as nações digam, mas o que Israel faz’.

Vimos representantes dos EUA apoiando as declarações de Netanyahu. Vemos o governo canadense em total apoio a Israel. Que o SENHOR prepare Israel e as nações que estão se alinhando favoravelmente a Israel a se manter pelo princípio da verdade e firmes em seu apoio a Israel. Que o SENHOR dê sabedoria e discernimento para a resposta e postura adequadas que Israel deve ter, em caso de uma absurda declaração como esta ser feita. Que Israel defenda-se de qualquer demonstração, marchas ou atos de violência, que ponham em risco sua integridade nacional e de seus cidadãos. Que todos os inimigos de Israel sejam enfraquecidos e fortalecida seja Israel, pelo Nome do SENHOR dos Exércitos. Que os planos de divisão territorial sejam um motivo de unidade em Israel.

Não Se esqueça o SENHOR de Sua Palavra no Salmo 2. 1-5.

  1. De acordo com o calendário judaico (lunar), em 1º de junho próximo, celebra-se Iom Yerushalaim – dia de Jerusalém, 44 anos da reunificação de Jerusalém. HalleluYah!

Salmo 122.3 fala da cidade compacta. A palavra utilizada – chubrah, da raiz ‘chet bet resh’ – pode ser traduzida por unificada, ajuntada, unida, ligada, emparelhada, arranjada em pilares ou estacas; aquela que atrai, encanta; associada; apegada, unida de aliados, unida a outros; aliança de unidade com outros; unido um ao outro; compartilhamento de negócios. Também, a palavra chaver (da mesma raiz), significa companheiro, amigo, companhia.

Ela não só quer dizer cidade que está unida, unificada por interesses comuns, por aliança daqueles que têm interesses comuns, mas que proporciona amizade, aliança, companheirismo. Esse é o sentido de Jerusalém unificada.

Neste 1º de junho, clamemos ao SENHOR pela verdadeira unidade de Jerusalém, a cidade da paz, a cidade que expressa a unidade, a amizade, o companheirismo genuíno. Clamemos pela genuína paz – YEHOSHUA HaMASHIACH – de Jerusalém.

  1. No dia 07.06, de acordo com o calendário ocidental, celebram-se os 44 anos da reunificação de Jerusalém. A ‘Jerusalém, Casa de Oração para Todas as Nações’, está convocando um dia de oração pela paz de Jerusalém, pela manutenção da sua unidade, lembrando que Jerusalém é:

- a Cidade do Grande REI (Mateus 5. 35);

- o Monte da Santidade (Jeremias 31. 23);

- a Cidade que YHVH escolheu dentre todas as tribos de Israel, para nela colocar Seu Santo Nome (1 Reis 11. 13,32,36);

- o Trono do SENHOR (Jeremias 3. 17);

- a Cidade chamada pelo Seu Nome (Daniel 9. 18);

- a Cidade Santa (Daniel 9. 24);

- a Cidade da Verdade, o Monte de YHVH Tsevaot, o Monte Santo (Zacarias 8. 3);

- habitação tranqüila, tenda que não será removida, cujas estacas nunca serão arrancadas, nem quaisquer de suas cordas (Isaías 33. 20);

- o lugar que tem servido a YHVH de nome, de gozo, de louvor, e de glória, entre todas as nações da Terra, que ouvem todo o bem que ELE lhe tem feito; e espantam-se e perturbam-se por causa de todo o bem, e por causa de toda a paz que ELE lha dá (Jeremias 33. 9);

- um copo de tremor para todos os povos em redor (Zacarias 12. 2);

- uma pedra pesada para todos os povos (Zacarias 12. 3).

Geremos todos esses tópicos, em oração pela Cidade do Grande REI!

  1. Nos dias 08 e 09.06, celebra-se Shavuot (Pentecoste) em Israel.

Somos conclamados a orar pelo derramar do Espírito Santo em um avivamento sem precedentes, como aquele que começou há 2000 anos:

E nos últimos dias acontecerá, diz ELOHIM, que do Meu Espírito derramarei sobre toda a carne; e os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos jovens terão visões, E os vossos velhos terão sonhos; e também do Meu Espírito derramarei sobre os Meus servos e as Minhas servas naqueles dias, e profetizarão; e farei aparecer prodígios em cima, no céu; e sinais em baixo na Terra, sangue, fogo e vapor de fumo. O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes de chegar o grande e glorioso dia do SENHOR; e acontecerá que todo aquele que invocar o Nome do SENHOR será salvo

(Atos 2.17-21)

Quando isso acontecerá? Nos últimos dias.

O que acontecerá? O derramar do Espírito Santo.

Sobre quem isso acontecerá? Sobre toda a carne! HalleluYAH!!!

No fim dos tempos, o SENHOR derramará do Seu Santo Espírito sobre todas as nações – num avivamento mundial, que acontecerá durante os últimos dias e na tribulação (vv. 19,20), conduzindo ao grande e terrível dia do SENHOR (v. 20), que abrirá as portas para o regresso do MESSIAS de Israel. Será um tempo de grandes ondas evangelísticas e de salvação (v. 21).

Esse é o mesmo tipo de avivamento que experimentaram os discípulos, mas que envolverá todas as nações, imediatamente antes do retorno de YEHOSHUA. Haverá fogo de avivamento e de julgamento. Como o 1º avivamento redundou em evangelização mundial, a partir de Israel, o grande avivamento trará de volta o MESSIAS para Israel e o estabelecimento do reino de YHVH na Terra, a partir de Jerusalém!

Antes que houvesse o derramar do Espírito Santo (Atos 2), no entanto, os discípulos estavam reunidos, com um mesmo coração, em oração, em unidade, todos juntos, na noite que precedeu Shavuot (Atos 1. 14; 2. 1). Por esta razão, entendendo que estamos vivendo os últimos dias, entendendo que assim como o avivamento na igreja primitiva veio a partir de um remanescente em Israel, entendendo a citação de Pedro sobre os últimos dias, com a restauração de Israel (Joel 3. 1) e o levantar, novamente de um remanescente judeu para o SENHOR, e o caminhar, a passos largos, de um cenário que culminará com o cerco de Jerusalém por todas as nações da Terra, os irmãos do Revival Israel estão convocando a esse remanescente de Israel e a todos os servos de YHVH para um tempo de oração e intercessão pelo avivamento em Israel e nas nações da Terra (das 22.00h do dia 07 até as 10.00h do dia 08.06, de acordo com o horário em Israel – o que seria, no horário brasileiro, das 16.00h do dia 07 às 4.00h do dia 08).

Os tópicos de intercessão poderiam ser divididos, conforme sugestão:

1º turno – Unidade do Corpo do MESSIAS

João 17. 21 – ‘para que eles sejam um’ – “Para que todos sejam um, como TU, ó PAI, o és em Mim, e EU em Ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que TU Me enviaste”.

1ª hora – louvor e adoração;

2ª hora – oração e intercessão.

2º turno – Vinda do Reino de DEUS

Mateus 6. 10 – “Venha o Teu reino, seja feita a Tua vontade, assim na Terra como no céu” (Apocalipse 11. 15)

3ª hora – louvor e adoração;

4ª hora – oração e intercessão.

3º turno – Alcançando as Nações

Atos 1. 8 – “e ser-Me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da Terra” (Mateus 24. 14; Salmo 2. 8)

5ª hora – louvor e adoração;

6ª hora – oração e intercessão.

4º turno – Poder Miraculoso do Espírito Santo

Atos 4. 29,30 – “Agora, pois, ó SENHOR, olha para as suas ameaças, e concede aos Teus servos que falem com toda a ousadia a Tua Palavra; enquanto estendes a Tua mão para curar, e para que se façam sinais e prodígios pelo Nome de Teu Santo Filho JESUS” (Isaías 61. 1)

7ª hora – louvor e adoração;

8ª hora – oração e intercessão.

5º turno – Salvação de Israel

Romanos 11. 26 – “E assim todo o Israel será salvo, como está escrito: De Sião virá o Libertador, e desviará de Jacó as impiedades” (Romanos 9.1; 10. 1)

9ª hora – louvor e adoração;

10ª hora – oração e intercessão.

6º turno – Vinda (Regresso) do MESSIAS

Mateus 23. 39 – “Porque EU vos digo que desde agora Me não vereis mais, até que digais: Bendito O Que vem em Nome do SENHOR” (Apocalipse 21. 20)

11ª hora – louvor e adoração;

12ª hora – oração e intercessão.

  1. Louvo ao SENHOR porque o tempo em Israel foi de chuvas, ainda que elas não fossem esperadas. Em muitos locais estivemos sob chuvas – halleluYAH! Louvores e adoração pertencem a ELOHEINU (nosso DEUS).

Entretanto, ao contrário do que se tem anunciado, de que a crise aqüífera em Israel está solucionada, a situação ainda é bem crítica. Pudemos ver a melhora dos níveis de reserva no Qineret. Louvado seja o SENHOR por essas chuvas fora de estação! Que sejam um sinal para o derramar do Seu doce Espírito, inda mais nos dias de Shavuot.

Em Ezequiel 37, quando o SENHOR diz ao profeta para que profetize sobre a liberação do vento dos quatro cantos da Terra, certa vez, o SENHOR ministrou-me que isso está relacionado à oração dos santos pelos quatro cantos da Terra, gerando, clamando, intercedendo pelo derramar do Espírito Santo em Israel, por seu avivamento:

Profetiza ao Espírito, profetiza, ó filho do homem, e dize ao Espírito: Assim diz o YHVH ELOHIM: Vem dos quatro ventos, ó Espírito, e assopra sobre estes mortos, para que vivam. E profetizei como ELE me deu ordem; então o Espírito entrou neles, e viveram, e se puseram em pé, um exército grande em extremo

(Ezequiel 37. 9.10)

Cumpramos a Palavra do SENHOR, profetizando, declarando, orando, gerando, permitindo que o SENHOR, o Espírito, utilize nossos corpos para gerar aquilo que está no coração do PAI com respeito a Israel e os últimos dias.

Oremos por chuvas físicas, para que as árvores sejam plantadas, inclusive no deserto (Isaías 41. 18-20).

Que as fontes escondidas nas profundezas da terra venham à tona, sejam expostas e água jorre do interior da terra, dos muitos mananciais que o SENHOR preservou para esses dias.

Que o deserto se torne um lugar aprazível, frutífero, para a glória do Altíssimo, para que saibam que só ELE poderia ter feito tal maravilha! Que o SENHOR lembre-Se de Suas promessas quanto ao florescimento do deserto.

Dê sabedoria ao povo e aos turistas de poupar água e usá-la com medida, evitando todo o desperdício e mau uso do precioso presente que o SENHOR nos concede.

  1. Sobre aliyah – o regresso de cada judeu a Eretz Israel:

O anti-semitismo continua a crescer. As ações de boicote a Israel e a seus produtos estão aumentando (como no caso das livrarias de Dundee, Escócia), e isso parte de pequenas a grandes comunidades, por uma campanha bem organizada de demonização e deslegitimação do Estado judaico financiada, em sua grande maioria, pelos magnatas do petróleo árabe, e pelo trabalho lento e gradativo de alterar a filosofia do pensamento nas universidades norte-americanas e européias, ao mudar seus patronos (os mesmos magnatas árabes) e professores…

Vive o SENHOR, que fez subir os filhos de Israel da terra do norte, e de todas as terras para onde os tinha lançado; porque EU os farei voltar à sua terra, a qual dei a seus pais. Eis que mandarei muitos pescadores, diz o SENHOR, os quais os pescarão; e depois enviarei muitos caçadores, os quais os caçarão de sobre todo o monte, e de sobre todo o outeiro, e até das fendas das rochas

(Jeremias 16. 15,16)

O espírito do anti-semitismo funciona como um caçador à caça de sua presa. No caso, a perseguição aos judeus tem dirigido muitos deles a buscar refúgio em Israel, seu porto seguro. Louvado seja o SENHOR por isso.

Entretanto, pedidos de entrada em Israel têm sido negados, principalmente quando se tratam de judeus messiânicos, aqueles que professam a YEHOSHUA como o MESSIAS de Israel e seu Salvador. Isso porque todos os pedidos de aliyah passam pelas mãos dos religiosos em Jerusalém. Atualmente, o Ministro do Interior de Israel, Eli Yishai, que também é o chefe do poderoso partido ortodoxo judeu na coalizão do governo de Netanyahu, apóia a organização ultra-ortodoxa Yad Lachim, violenta em seus métodos, que persegue a judeus messiânicos e a ‘missionários’.

Atualmente, no aplicativo ‘online’ para solicitação de cidadania israelense e aliyah da Agência Judaica há uma pergunta explícita sobre a crença do solicitante em YEHOSHUA/YESHUA como MESSIAS. A resposta positiva implica na imediata desqualificação do candidato à aliyah. Isso é aviltante e discriminatório! Injustiça, sim…

Clamemos para que a política de retorno seja garantida, em bases de igualdade, para todos os judeus, quer messiânicos, ortodoxos ou seculares. Que sobre os líderes religiosos, que detêm a responsabilidade da seleção de entrada em Israel dos novos imigrantes, pesa a mão do SENHOR, o Perfeito JUDEU que precisa retornar a Eretz Israel, para que se cumpra cabalmente a Palavra de Seu PAI.

Que os líderes religiosos em Jerusalém não façam como fizeram líderes de algumas nações que impedirem a entrada de judeus fugidos da perseguição nazista… e, sendo enviados de volta à Alemanha e às nações dominadas pelo regime nazista, foram encaminhadas aos campos de concentração e mortas… Porque, o anti-semitismo é o mesmo espírito de caça que controlava os caçadores nazistas 70 nos atrás…

O SENHOR me mostra agora que, da mesma forma que YEHOSHUA, o Perfeito Judeu, não tem sido invocado, não tem sido desejado, não tem sido esperado e almejado, não se tem clamado ‘Barcuh Haba b’SHEM YHVH’, assim ocorre com os judeus messiânicos, não são desejados… Amados, como é importante o regresso de cada judeu messiânico a Eretz Israel. Clamemos por isso, pelo despertar de cada um, pelo desejo ardente de regressar, por portas abertas para seu regresso, em Nome de JESUS, como sinal profético para o regresso do ‘JUDEU Messiânico’ YEHOSHUA, o MESSIAS!

Que, assim como ao judeu ortodoxo Gamaliel pesou a responsabilidade de não tocar naquilo que fosse do SENHOR, também pese sobre aqueles que estão com o poder de decisão, a consciência de não tocar nos ungidos de YHVH, combatendo contra YHVH (Atos 5. 34-40a) – que haja esse temor em seus corações.

Da mesma forma, clamemos pelo desenvolvimento do país, com frentes de trabalho, em todas as áreas, sendo abertas, para aumentar a necessidade de mão de obra especializada e o incremento do incentivo à aliyah.

Declaremos, nos colocando no lugar de cada judeu: ‘Barcuh Haba b’SHEM YHVH’ – ‘Bendito Aquele que vem em Nome do SENHOR’ – tenham os olhos abertos para ouvir o clamor que está no coração do PAI.

Então proferiu a sua parábola, e disse: De Arã, me mandou trazer Balaque, rei dos moabitas, das montanhas do oriente, dizendo: Vem, amaldiçoa-me a Jacó; e vem, denuncia a Israel. Como amaldiçoarei o que DEUS não amaldiçoa? E como denunciarei, quando o SENHOR não denuncia? Porque do cume das penhas o vejo, e dos outeiros o contemplo; eis que este povo habitará só, e entre as nações não será contado. Quem contará o pó de Jacó e o número da quarta parte de Israel?” (Números 23. 7-10a)

Que Israel reconheça seu chamado de ser nação distinta, povo único, não contada entre as nações da Terra, e não deseje ser como as outras nações, com governo e estrutura semelhante às outras nações (como fizeram quando desejaram ser como as outras nações e ter um rei sobre si… e preteriram ao REI dos reis e SENHOR dos senhores, em detrimento de Saul). Que Israel parede querer ser como as outras nações e aceite sua ‘unicidade’, ‘exclusividade’ – e viva à altura desse chamado.

Que o número dos judeus retornando a Israel seja cada vez maior, ao ponto de não se poder contar o pó de Jacó e o número da quarta parte de Israel.

Mas TU, SENHOR, permanecerás para sempre, a Tua memória de geração em geração. TU Te levantarás e terás piedade de Sião; pois o tempo de Te compadeceres dela, o tempo determinado, já chegou. Porque os Teus servos têm prazer nas suas pedras, e se compadecem do seu pó. Então os gentios temerão o Nome de YHVH, e todos os reis da Terra a Tua glória. Quando YHVH edificar a Tsion, aparecerá na Sua glória

(Salmo 102. 12-16)

Que o Corpo do MESSIAS nas nações da Terra veja e entenda que a restauração do povo judeu à sua terra é a manifestação da misericórdia do Altíssimo sobre este povo. E, ao vê-lo, regozije-se com o SENHOR e ajude nessa obra, para a glória do Nome dELE mesmo.

Na caravana em que estive (com Ap Valnice Milhomens), no mês de maio, em Israel, levantamos uma oferta para apoiar a aliyah. O SENHOR me falou claramente para que ofertássemos na organização Operação Êxodo Ebenezer.

No dia em que estivemos no escritório, em Jerusalém, para a entrega da oferta, foi um dia de gozo para mim. Desde 2006, o SENHOR colocou no meu coração esse assunto da aliyah (já escrevi sobre isso em informes passados; tenho ministrado sobre isso também).

Maior ainda foi o meu gozo ao saber que há um representante no Brasil e que podemos ofertar diretamente em reais para essa organização, que nasceu em 1991, em Jerusalém, como fruto de uma visão e um chamado a dois irmãos, durante uma conferência de intercessão em Israel (naquela em que estive no mês de janeiro-fevereiro passados).

Podem conhecer mais sobre eles e seu trabalho, a partir do site www.operation-exodus.org ou www.ebenezer-ef.org.

No Brasil, o contato é com o sr. Carlos Augusto (brazil@ebenezer-ef.org).

Para doações:

Banco Bradesco

Associação Operação Êxodo Ebenezer

Ag 1835-0

CC – 450-2

A graça de nosso SENHOR JESUS CRISTO seja com todos vocês. Amém. Àquele que é poderoso para nos confirmar segundo o Evangelho e a pregação de JESUS CRISTO, conforme a revelação do mistério que desde tempos eternos esteve oculto, mas que Se manifestou agora, e se notificou pelas Escrituras dos profetas, segundo o mandamento do DEUS Eterno, a todas as nações para obediência da fé; ao Único DEUS, sábio, seja dada glória por JESUS CRISTO para todo o sempre. Amém

(Rom 16:24-27 ACF)

Shalom shalom. Com amor e gratidão,

marciah malkah

Jessica Mendonça (159 Posts)


Copyright © 2010 Igreja Batista Jesus é a Vida.

Produzido por tendaestudio